Aliança do Pacífico reduz barreiras dia 31/03 e atrai interesse

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Cerca de 90% dos produtos vendidos na chamada Aliança do Pacífico – México, Colômbia, Peru e Chile – pelo acordo de comércio fechado entre estes países, ainda no ano passado, deverão ter eliminadas todas as suas barreiras comerciais do próximo dia 31 de março em diante. A Aliança do Pacífico se move com rapidez no cenário mundial. Seus presidentes fazem reuniões por meio digital, sem sair de seus gabinetes. E pretendem atrair novos parceiros como Costa Rica e Panamá. A Aliança busca uma integração rápida, sem conotação político-ideológica, o que a aproxima de outra iniciativa, a TPP TransPacific Partnership (Parceria TransPacífica)  de liderança norte-americana, em torno do Oceano Pacífico, com Chile, Austrália, Nova Zelândia, Cingapura, México, Malásia, Canadá e Peru.

A Aliança do Pacífico coloca o Mercosul em posição de desvantagem. Ao se lançar no ambiente sul-americano, a Aliança deverá atrair novos participantes, inclusive os que estão insatisfeitos com o Mercosul, como o Paraguai, que já pediu que fosse admitido como observador, mesmo não tendo abertura ao oceano Pacífico. Desde que o grande projeto de uma ALCA, Aliança de Livre Comércio das Américas, foi abandonado em 2003, o Brasil nunca mais conseguiu avanços significativos de parcerias comerciais regionais. A participação brasileira no comércio mundial está congelada abaixo de 2% do total mundial  há décadas. Se pior não ficou, é pelo desempenho fora-de-série dos preços das commodities minerais e agrícolas, algo que a nossa política de comércio exterior não comanda. Em tempo: a execução dos leilões para concessão dos portos nacionais parou por pressão sindical.

Ed.130

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…