Alta carga tributária e custo de mão de obra comprometem a produtividade do Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Estudo da área de pesquisa da The Economist, a Economist Intelligence Unit, aponta que o Brasil aparecerá na 37ª posição, em 2016, em um ranking de produtividade comparando 82 países. A lista é liderada por Cingapura, Hong Kong e Suíça. O melhor item avaliado é a estabilidade política, que em 2016 deverá deixar o Brasil posicionado em 13ª lugar. Hoje ocupa a 18ª posição. No item infraestrutura o país permanecerá no 52º lugar. No quesito mão de obra, a área de pesquisa projeta que o Brasil avance da 66ª posição em 2012 para 59ª em 2016. Mas é a carga tributária que faz o Brasil ter sua pior colocação; ficará na 76ª posição entre os 82 países pesquisados.

De fato, a tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos na mão de obra, no bem de capital, nos insumos, na energia, fazem explodir o custo de produção. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente continuar a desonerar e simplificar o Brasil.

 Ed.43

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…