Banco Central anuncia “o último ajuste” baixista na taxa básica de juros, que fica agora em 7,25%

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O Banco Central votou, por maioria simples, num último ajuste nos juros, acumulando 5,25 pontos percentuais de cortes sucessivos.  A taxa fica agora em 7,25%. Ainda é uma taxa bastante alta, se comparada a outros países do mundo, especialmente aquelas economias exportadoras de commodities parecidas conosco, como Austrália e Canadá.  Se deduzida a inflação anual projetada, aparece um juro real algo inferior a 3% ao ano que, mesmo assim, continuaria maior – embora não muito – do que o diferencial de risco-Brasil percebido hoje pelos investidores mundiais. Ou seja, pela primeira vez em muitos anos, desde a administração Armínio Fraga, o Banco Central mostra apetite para tentar praticar “juros normais” na compra e rolagem de papéis públicos.

O que seria normal e convencional, praticar juros em patamar nivelado ao resto do mercado mundial, tem sido recebido por alguns importantes economistas e financistas como se fosse um erro crasso do Banco Central. Esses críticos já erraram feio, no ano passado, ao condenar o presidente Alexandre Tombini, do Banco Central, por “baixar demais os juros, arriscando um descontrole da inflação”. Não houve nada disso. Agora, retomam as críticas, na mesma toada. O mesmo erro de percepção se repete.

Ed.53

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….