BC modera alta do câmbio com política eficaz

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Exemplo de atuação precisa e eficaz, a política do Banco Central de swaps diários e vendas semanais de moeda estrangeira permitiu moderar a alta do câmbio das semanas recentes sem alarde nem arrependimentos. O BC teve a cortesia de enviar aos especuladores um recado bastante claro de que a tendência do câmbio, embora parecesse inevitável a alta contínua, não era “unidirecional”. Ou seja, cautela nas projeções da taxa a R$2,50 ou mais. As perguntas mais frequentes eram sobre quando a taxa alcançaria R$2,70 ou até em R$3,00. Mas até ontem, o câmbio já havia recuado para R$2,26. Deve continuar recuando.

A RC Consultores enviou a seus clientes a projeção de seu modelo de câmbio dias antes do anúncio das intervenções do BC. O modelo estimava o câmbio médio de setembro em R$2,25. Naquele momento, parecia uma projeção despropositada, diante da ebulição altista. A RC confiou no seu prognóstico baixista. Também estimou que o Banco Central tinha muita munição para reverter a alta do câmbio a um nível intermediário entre os períodos pré e pós-corrida. No momento, a inclinação é, inclusive, mais baixista, por fatores concorrentes. Primeiro, a ação concatenada dos bancos centrais de países emergentes. Pode haver novos surtos de alta, mas o Brasil é dos mais bem defendidos. Segundo, pela intervenção eficaz do Banco Central, ao mesmo tempo que economizadora de recursos. Terceiro, pela estabilização de vários indicadores do modelo RC, sugerindo uma taxa abaixo de R$2,25 até o fim do ano. Só o próprio governo, com sua política fiscal frouxa e suas mensagens atrapalhadas, poderá forçar nova alta do câmbio. Mas o BC tem, para isso, novas altas de juros como castigo.

Ed.267

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….