BCE pode aderir ao QE

José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Banco Central Europeu manteve a taxa de juros básica em 0,25% ao ano, na reunião realizada ontem em Frankfurt. O comunicado da reunião foi claramente “dovish” (inclinado ao afrouxamento monetário) ao assinalar que “se necessário, não exclui uma maior flexibilização da política monetária”. Mas a surpresa ficou por conta da entrevista do presidente do banco, Mario Draghi, que comunicou que o Conselho do BCE discutiu explicitamente a possibilidade de recurso, ainda que tardio, a um programa de estímulo monetário similar ao aplicado pelo FED, pelo Banco do Japão e pelo Banco da Inglaterra.

O que ampliou a preocupação do BCE foi a inflação de março na zona do euro, que mostrou variação de apenas de 0,5% ao ano. A apreensão geral é com o risco de deflação. Esse programa de estímulo monetário, de aquisição de obrigações, os chamados “quantitative easing” (QE), pertence ao arsenal de medidas não convencionais dos bancos centrais. O mundo está no quinto ano de “ajustamento” sem perspectiva de fim, pois as lideranças preferem fazer afrouxamentos monetários, alardeados como “solução”. Emissão monetária desmedida não cria riqueza tangível. Muito menos a manutenção de gastos que uma sociedade não consegue bancar. Como consequência, sérias distorções macroeconômicas. No entanto, no curto prazo, um dos efeitos imediatos da política “comunicacional” de Draghi sobre o QE e a utilização de medidas não convencionais de política monetária é a queda do euro face ao dólar.

Ed.391

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…