Câmbio acima de R$2,40 faz BC emitir nota

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A celeridade da alta do dólar e do euro frente ao real motivou alerta de Alexandre Tombini sobre o potencial erro de “apostas unidirecionais”. O presidente do BC não estaria apenas fazendo uma declaração de “bombeiro”, isto é, tentando apagar parte do incêndio do câmbio com seu alerta aos especuladores. O risco de prejuízos nas posições compradas realmente existe numa ótica econométrica. Os especuladores estão se apoiando em cálculos que sempre estiveram à disposição do mercado para agora ressaltar a aparente inevitabilidade da queda do real. Qualquer cálculo baseado em resgate da competitividade industrial brasileira nos levará à estimativa do real entre R$2,45 a R$2,75 por dólar. Tais estimativas computam séries históricas de salários industriais versus câmbio ou, ainda, a comparação de produtos finais em países diversos, como uma “paridade McDonald” entre produtos industriais.

O câmbio, entretanto, se rege por fatores de confiança e de liquidez relativa entre moedas, que pouco tem a ver com a competitividade calculada em pranchetas industriais. Não se trata apenas de câmbio de equilíbrio teórico ou ideal. O nível prático da taxa cambial, mês a mês, encontra mais aderência a variáveis financeiras, como os juros, por exemplo. Ou à confiança na gestão de governo. A RC Consultores rodou seu modelo estressando tais variáveis financeiras. Desde 2006, o modelo mostra uma quase perfeita aderência ao câmbio efetivo. Com ele, a RC confirmou sua projeção dos próximos três meses, que dá razão ao alerta do presidente do BC. Pelo modelo, o câmbio não chegaria aos R$2,50 que o mercado está buscando no próximo horizonte especulativo. Pelo contrário, a projeção confirma uma direção de “volta” ao patamar de R$2,25, conforme nossa estimativa divulgada antes da corrida atual.

Ed.252

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…