Carga tributária tem a maior alta em 10 anos e chega a 35,3% do PIB

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

De acordo com levantamento da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, entre 2002 e 2011, a carga tributária no Brasil passou do equivalente a 32,5% do PIB para 35,3%, totalizando R$ 1,4 trilhão.  As transferências para previdência e assistência social e subsídios cresceram nesse período de 14,1% do PIB para 15,1%. Como resultado, a carga tributária líquida subiu 1,78 ponto percentual, passando de 18,4% para 20,2%.

Por mais que o governo queira explicar que a carga tributária bateu novo recorde em função da expansão econômica, é inegável que o sistema tributário brasileiro é oneroso, complexo e burocrático. O Estado brasileiro tem uma das mais altas cargas tributárias do mundo. É a maior da América Latina e dos Brics. Continuamos insistindo que para o Brasil ser mais competitivo na economia global é urgente e necessário medidas de realinhamentos, como a reforma  tributária.

Ed.80

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em 2017

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em 2017, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na comparação mensal com ajuste sazonal, foi observado crescimento de 1,1% em dezembro frente a novembro. Já na avaliação contra dezembro do ano anterior,…

Recuperação de crédito cai 0,4% em 2017

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 0,4% em 2017. Já na análise mensal, houve avanço de 7,1% na variação contra novembro, considerando os dados dessazonalizados. Na comparação com o mesmo mês de 2016…

Inadimplência do consumidor cai 3,5% em 2017

A inadimplência do consumidor caiu 3,5% em 2017, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já na avaliação mensal com ajuste sazonal, dezembro apresentou retração 4,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016, o indicador caiu 6,0%. Regionalmente, na análise acumulada em 12 meses, ocorreu queda nas regiões Nordeste (-5,4%),…