Com atraso, FMI revê suas projeções

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O FMI rebaixou mais uma vez a projeção de crescimento para a economia brasileira. Para o ano de 2013, o FMI prevê um crescimento de 2,5% do PIB ante os 3,0% projetado em abril. Para 2014 a projeção passou a ser de 3,2%. No geral, o FMI prevê um crescimento menor para as economias emergentes. O México teve revisão para baixo nas projeções de 2013, de 3,4% para 2,9%. A China deve crescer 7,8% em 2013 e 7,7% em 2014, respectivamente. Por sinal, hoje a China divulgou os números do comércio internacional. As exportações recuaram 3,1% na comparação interanual (a maior queda observada desde o início da crise global) e as importações reduziram-se em 0,7%, quando o mercado esperava um crescimento de 6%. Esse resultado deixa poucas dúvidas sobre a atual fase de desaceleração que se encontra a segunda maior economia do mundo.

O FMI mantém sua cota de atraso. Enquanto a RC Consultores desde o ano passado projetava um crescimento do PIB brasileiro em 3,0%, em outubro o FMI divulgava em seus relatórios que o “Brasil voltará aos índices de crescimento acima da média mundial em 2013, quando atingirá 4%”. Com o consumo das famílias demonstrando saturação por conta de um maior comprometimento da renda familiar, os esperados investimentos abaixo da expectativa e um cenário externo que não tem nos favorecido, a RC Consultores reduziu sua projeção de crescimento do PIB de 2,7% para 2,1% para este ano.

Ed.223

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….