Conflito na Síria aprofunda ajuste da política monetária no Brasil

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Após muita contemporização com a guerra civil que agora assume aspectos de genocídio na Síria, os países da OTAN se moveram na direção de colocar o peso do seu arsenal para acelerar o fim do conflito. Os mercados reagiram com força. O ouro subiu para sua maior alta em três meses. O dólar e o euro também sobem, desvalorizando mais os emergentes e atraindo os capitais voláteis de volta para casa. O petróleo, item mais sensível, já subiu 4% nos últimos dias. O cenário não é favorável às commodities que o Brasil exporta e importa. Nesse contexto de mau humor e adversidade contra o que parecia ser antes um céu de brigadeiro para os emergentes, o Brasil não é o pior destaque na ótica cambial. Desde que o Banco Central brasileiro anunciou seu plano de intervenção sistemática, os especuladores tomaram atitude de maior prudência quanto às apostas de alta continuada do dólar frente ao real.

Hoje o Banco Central decide a elevação da taxa de juros, que o mercado em peso espera se situar em 0,5 ponto percentual. Nada indica que o COPOM venha a frustrar a expectativa em torno dessa aposta. Mas é interessante considerar o seguinte: se a decisão fosse de surpreender o mercado com uma alta ainda mais expressiva, como 0,75 ponto ou de até 1 ponto, nesta rodada, qual seria a tendência do dólar no dia seguinte? Certamente ocorreria forte acomodação da taxa de câmbio numa cotação bem mais baixa. Esse é o tipo de recurso que o BC sempre poderá usar se perceber que o efeito de realimentação inflacionária da desvalorização em curso estiver a ponto de superar o benefício antevisto de recomposição da competitividade externa dos setores produtivos, em especial da indústria.

Ed.258

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…