Desistência de Summers de comandar o FED não mudará mercados

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Lawrence Summers, professor de Harvard e ex-assessor chefe de Barack Obama, no início do primeiro mandato, acaba de desistir de concorrer como substituto de Ben Bernanke no Federal Reserve, a partir de janeiro. Na disputa ficou Janet Yellen, a vice atual, que representaria melhor os interesses do Partido Democrata. Por trás dessa disputa, estão mais questões de tática do que de direção de política. Entretanto, os mercados comemoraram hoje na Ásia o fato de Summers haver desistido, em função da crença espalhada no noticiário de que sua atuação seria mais agressiva na retirada do estímulo à manutenção de juros próximos a zero (em termos reais). Ou seja, comemora-se uma política menos apertada do FED na retirada de estímulos.

O impacto da comemoração pelo afastamento de Summers da disputa será efêmero. As bolsas americana e europeia podem ficar mais positivas por uns dias e as commodities terão seus preços sustentados por um dólar mais fraco. Mas a diferença está mais no estilo do que na substância. Tanto Yellen quanto Summers não teriam escapatória senão perseguir a mesma política de retirada de estímulos. O receio dos políticos democratas em relação à escolha de Summers resulta de sua aparente aproximação com os banqueiros de Wall Street. O setor político americano se ressente do fato de os bancos terem “levado a melhor” no processo de ajuste. Essa é outra tese que os dados não sustentam. Embora tenha havido importantes resgates dos bancos de grande porte, milhares de instituições bancárias de médio porte nos EUA fecharam as portas desde a quebra do Lehman em setembro de 2008. Passada a especulação em torno do nome do próximo inquilino na cadeira de Bernanke no FED, os mercados perceberão a inevitabilidade da retirada dos estímulos. Neste momento, o efeito dos juros mais altos voltará a ser sentidos, acentuando a tendência à desaceleração da economia mundial.

Ed.271

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…