Economia é o centro do debate

Por Marcel Caparoz e Thiago Biscuola, da RC Consultores

O debate ocorrido ontem entre os representantes das duas forças políticas que disputam o segundo turno das eleições presidenciais, o atual ministro da Fazenda Guido Mantega e o ministro a ser indicado ao posto pelo candidato Aécio Neves, Armínio Fraga, abordou os principais temas econômicos do Brasil, contrapondo realizações do passado e desafios para o futuro.

Os representantes apresentaram conceitos diferentes, porém complementares. O atual ministro da Fazenda se mostrou mais adepto ao prolongamento das medidas pontuais e anticíclicas, capazes de reduzir o impacto dos ajustes macroeconômicos nas famílias e nos setores estratégicos do País. Em contrapartida, Armínio Fraga defendeu a adoção de medidas e reformas de caráter estrutural, sugerindo uma maior transparência e previsibilidade da economia. Embora as ações pontuais anticíclicas tenham amenizado os impactos da crise na economia doméstica, os efeitos destas ferramentas parecem ter se esgotado. Medidas de cunho estrutural serão fundamentais para elevar a eficiência e a capacidade produtiva do País, garantindo que os comemorados ganhos sociais, iniciados no governo FHC e ampliados durante o mandato de Lula, não sejam perdidos ao longo do tempo.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…