Elevação da inflação reduz margem de atuação do governo

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

A inflação oficial (IPCA) de março registrou forte alta de 0,92%, o maior valor para o mês desde 2003, quando a elevação foi de 1,23%. Segundo os dados divulgados pelo IBGE hoje pela manhã, os principais responsáveis por esse incremento foram o grupo Alimentação e bebidas (+1,92%) e o subgrupo Transporte público (+3,01%), principalmente em função da alta de 26,5% do item passagem aérea. Assim, a variação acumulada em 12 meses da inflação atingiu o patamar de 6,15%.

Este resultado coloca mais pressão sobre o governo em relação ao atual processo inflacionário. Embora seja de caráter pontual, o retorno da inflação dos alimentos ao consumidor reduz ainda mais a margem de manobra do governo em relação aos preços monitorados que foram mantidos represados nos últimos anos. Energia elétrica, gasolina, pedágios e transporte público urbano tiveram seus preços controlados, o que tem gerado graves distorções nas empresas desses setores e nas prefeituras de algumas capitais brasileiras. A correção terá que ser feita em algum momento. A inflação presente já está dada, resta saber como será administrada a inflação que virá no futuro, principalmente no período pós-eleição.

Ed.393

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…