EUA incluem bens intangíveis no cálculo do PIB

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Na próxima quarta-feira, 31 de julho, o Birô de Análises Econômicas – BEA – dos EUA vai revisar o tamanho e composição do PIB americano, de forma retroativa até o primeiro ano de registro em 1929, incorporando bens intangíveis como pesquisa e desenvolvimento, até aqui registrados como despesas. O impacto da revisão será imediato. O PIB americano terá um impulso em torno de 2,7% e o índice de crescimento futuro provavelmente será maior.

Essa mudança deve incrementar a discussão se o FED vai encerrar seu programa de estímulo monetário no próximo ano. Nas últimas décadas os investimentos em bens intangíveis têm sido superiores aos tangíveis nos EUA. Isso deve permitir a economia americana liderar a recuperação dos países mais desenvolvidos. Além de arrancar na frente, os EUA devem sair da crise com uma indústria mais eficiente e mais competitiva. O setor industrial retomou mais cedo os investimentos tanto em capacidade produtiva como em inovação. Além disso, a exploração do xisto como fonte energética é uma importante fonte de redução de custos. A se confirmar os sinais de dinamismo mais fortes, não seria surpresa se Bernanke voltasse a falar em encerrar a injeção de recursos no mercado financeiro. Ainda que a tentação de imitar Greenspan, esticando a euforia das bolsas e empurrando pra frente o ajuste, seja grande.

Ed.236

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…