Expresso do Oriente

Um novo banco de desenvolvimento está prestes a surgir no mundo. O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (ou AIIB, da sigla em inglês) entra em rota irreversível, capitaneado pela China, local onde será sediado. Seu nascimento é polêmico: é a primeira instituição financeira voltada a projetos que não possui vínculos diretos com os Estados Unidos, aos moldes do Fundo Monetário Internacional ou Banco Interamericano de Desenvolvimento. Até o presente momento, cerca de 45 países já solicitaram ser membros fundadores da instituição, conforme relatou o jornal espanhol El País.

Diversas incertezas ainda permeiam o projeto, previsto para começar a funcionar até o final deste ano. Os aportes iniciais rondam a casa dos US$ 50 bilhões, com outros US$ 100 bilhões deixados como garantia. A China ainda não se pronunciou claramente sobre um possível direito de veto, uma vez que será a sócia-majoritária da instituição. Regras de governança corporativa também são uma incógnita e o excesso de competição entre os demais organismos no mundo poderá debilitar vigorosos bancos já existentes.

Não é de hoje que a China galga grandes objetivos econômicos. Após décadas de crescimento econômico anual acima dos 10%, hoje o país passa por um arrefecimento, com crescimento de “apenas” 7% no ano. Ainda assim, sua tradição bancária é considerada como sendo relativamente nova. Suas diversas empreitadas no ramo, desde a posse do presidente Xi Jinping em março de 2013, aumentaram consideravelmente. Especificamente na América Latina, os investimentos chineses aumentaram em mais de 70%. E o Brasil também embarca neste “expresso”. Sua participação em um órgão desta proporção é vista como positiva pelos investidores e como mais uma tentativa brasileira de aumentar sua integração econômica com o resto do mundo.

Mesmo com os investimentos chineses já permeando nossa economia há algum tempo, a criação de um vínculo mais formal tende a facilitar as entradas de recursos para o país, que passa por um momento crítico, tanto a nível macroeconômico, dada as projeções de queda do PIB de 2015, quanto a nível setorial, a exemplo da Petrobras, que fechou na semana um contrato de US$3,5 bilhões com o Banco Chinês de Desenvolvimento somente para fazer caixa e honrar suas dívidas de curto prazo. É boa a hora para novos recursos.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…

Cresce fatia dos que utilizarão o 13º salário para pagar contas de início de ano e poupar

  Dos mais de mil entrevistados pela Boa Vista SCPC, em sua pesquisa online sobre hábitos de consumo para o Natal e Fim de Ano, 75% dos respondentes afirmaram que receberão o 13º salário. Destes, 37% disseram que utilizarão a renda extra para quitar dívidas, o que representa uma queda de 19 pontos percentuais (p.p.)…