Grécia retorna ao mercado com taxa módica para seu risco

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Com uma taxa de apenas 5,125% para um título de € 500 milhões, o Banco Piraeus inaugurou o retorno de uma instituição grega ao mercado de capitais após quase seis anos de portas fechadas. Houve cerca de € 3 bilhões em ofertas de compra, o que indica o tamanho do apetite do mercado global, num momento em que a liquidez internacional persiste em grau extremamente elevado e as taxas de juros são muito baixas em termos absolutos, mesmo quando considerados riscos de emissores corporativos e de países recém-saídos da lista de banimento, como a Irlanda e a Espanha. Nem a crise da (quase) anexação da Crimeia pela Rússia conseguiu abalar a confiança (ou euforia) dos investidores.

Reforçando a confiança europeia numa recuperação à vista, a Suprema Corte alemã bateu o martelo sobre uma disputa que pairava sobre a legalidade da participação do governo de Angela Merkel nos programas de socorro financiados pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade. A Corte decidiu, sem ressalvas, que tal participação não só é legal como pode ser ampliada pelo Parlamento alemão, desde que embarcada em programas que não sejam a fundo perdido e possam ser revertidos por “futuras maiorias políticas”. É uma decisão que endossa o plano por “uma Europa unida”, capitaneado por Merkel. No mesmo dia, a Troika, que supervisiona as contas fiscais da Grécia, aprovou a renovação dos créditos àquele país para a rodada de maio, argumentando que a Grécia surpreendeu com um superávit primário de € 800 milhões, dos quais a Troika permitirá ao governo grego usar € 500 milhões para financiar programas sociais. Essa é uma lição que o Brasil não enxerga: embora credor líquido, o Brasil paga juros nivelados com a Grécia e se obriga a superávits primários em proporção superior à exigida de países quebrados. Parte dessa diferença se explica, claro, pelo guarda-chuva dos vizinhos alemães. As finanças do Brasil continuam “na chuva”, por duas décadas do Real.

Ed.383

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas sobe 13,6% em 2017

Em 2017 o número de novas empresas cresceu 13,6% em relação ao ano anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC, com abrangência nacional. Contudo, no 4º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 2,2% em relação ao 3° trimestre.                            …

Movimento do Comércio sobe 1,5% em 2017

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em 2017, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na comparação mensal com ajuste sazonal, foi observado crescimento de 1,1% em dezembro frente a novembro. Já na avaliação contra dezembro do ano anterior,…

Recuperação de crédito cai 0,4% em 2017

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 0,4% em 2017. Já na análise mensal, houve avanço de 7,1% na variação contra novembro, considerando os dados dessazonalizados. Na comparação com o mesmo mês de 2016…