Inadimplência na montanha-russa

Por Bruna Martins, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

O Indicador de Registro de Inadimplentes da Boa Vista SCPC, divulgado hoje, registrou alta de 2,3% em 2014 e, considerando o atual cenário macroeconômico, a expectativa é de alta um pouco superior para 2015. Mas o que esperar para a taxa de inadimplência do Banco Central?

A taxa de inadimplência com recursos livres para as pessoas físicas divulgada pela autoridade monetária apresentou grande amplitude em seus resultados ao longo dos últimos anos. Os dois principais picos de inadimplência foram observados em meados de 2009 e de 2012: o primeiro por consequência de uma grande expansão do crédito, que foi recebido por consumidores que ainda não sabiam lidar com essa ferramenta financeira; e o segundo pela flexibilização dos critérios adotados pelos concedentes, ou seja, uma consequência de políticas de incentivo ao crédito que objetivavam o aquecimento da demanda em um período pós-crise. Neste último pico, iniciado em 2011, a taxa de inadimplência passou de 5,70% em janeiro para 7,40% em dezembro do mesmo ano, e continuou a subir por todo o ano de 2012, mesmo com fatores condicionantes do crédito favoráveis, tais como baixo desemprego, aumento dos rendimentos reais dos trabalhadores, redução da taxa de juros e aumento dos prazos de pagamentos.

Atualmente, a dinâmica é outra. A manutenção das condições favoráveis do mercado de trabalho, a maior seletividade das empresas concedentes de crédito e a redução da demanda do consumidor por crédito contribuíram para que a inadimplência iniciasse 2014 em 6,63%. Tanto a maior seletividade dos ofertantes como a menor demanda prevaleceram ao longo do ano passado, de modo que o cenário econômico – ainda que imerso em incertezas – manteve-se equilibrado com os primeiros fatores. Assim foi possível observar a permanência da taxa em torno de 6,5%, taxa que deverá consolidar os dados de 2014 em sua próxima aferição, no dia 27 de janeiro. Em 2015, a baixa atividade econômica, o aumento da taxa de juros, o mercado de trabalho desaquecido e a inflação em patamar elevado devem sobrepor as influências da seletividade dos ofertantes e dos demandantes de crédito. Com isso, esperamos que a taxa de inadimplência também fique acima da registrada em 2014. Isto se não houver um novo “loop” pelo caminho.

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….