Lucro das empresas sente o golpe

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

O baixo crescimento econômico do país já começa a afetar diretamente as empresas de capital aberto. O lucro do 3º trimestre de 2014 das companhias abertas retraiu cerca de 25% frente ao mesmo período do ano anterior (sem considerar Vale, Eletrobras e Petrobras). Enquanto os custos cresceram em média 11,6% no período, as receitas líquidas subiram menos que isso (9,7%), resultando num crescimento menor do lucro operacional das empresas, que no trimestre avançou apenas 4,4%.

E não foi apenas a menor demanda interna e os elevados impostos que influenciaram o resultado ruim das empresas no trimestre. A elevação dos juros e a forte desvalorização do real frente ao dólar dos últimos meses impactaram diretamente os resultados. Todos os setores foram afetados. Aqueles com maior exposição ao dólar, como as exportadoras de commodities e de manufaturas básicas, por exemplo, sofreram com o aumento da dívida financeira, que é determinada em dólares. Já os setores voltados a obras de infraestrutura e concessões são atingidos pela elevação dos juros e a consequente alta dos custos de financiamento. Quem menos apresentou fraqueza no trimestre foi o setor ligado ao consumo interno, com destaque para aqueles de bens de primeira necessidade, como alimentos, que ainda apresenta resistência frente ao baixo dinamismo econômico. Mas isso não é garantia de um futuro próspero. O poder de compra das famílias está se deteriorando, com menor ritmo de crescimento dos salários e inflação persistentemente alta.

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….