Melhor que recessão

Um dia após o Banco Central estimar que a economia brasileira sofreria uma retração de 0,2% em 2014, o IBGE divulgou os resultados oficiais das contas nacionais, trazendo certo alento a esta projeção recessiva. Segundo o Instituto, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro atingiu R$ 5,52 trilhões em 2014, subindo 0,1% frente ao resultado de 2013. Apesar de positivo, foi o pior resultado do indicador desde 2009, ano da crise internacional, quando a economia brasileira encolheu 0,2%.

No início de 2014, as expectativas do mercado apontavam para um crescimento bem maior, próximo de 2%, conforme primeiro boletim Focus do Banco Central (BC). As projeções otimistas inicialmente feitas pelos analistas foram pouco a pouco substituídas pela desconfiança geral na economia, e as projeções foram se reduzindo.

Pelo lado da demanda, o consumo das famílias já era uma decepção anunciada. O crescimento de 0,9% foi muito pouco expressivo quando comparado a anos anteriores, consequência óbvia da constante deterioração da confiança dos consumidores na economia. Até o consumo do governo superou o consumo das famílias, crescendo 1,3%. É a primeira vez que isto acontece desde 2003, e seus custos já ficaram evidentes nos resultados fiscais primários. Enquanto em 2013 observamos superávit de 1,9%, 2014 amarga um déficit de 0,6%. A queda acentuada dos investimentos (-4,4%) também já era esperada, evidenciando a desconfiança existente também no ambiente empresarial.

Com uma série de ajustes em curso, tanto fiscais quanto monetários, o desempenho econômico de curto e médio prazo certamente será impactado, deixando expectativas de resultados melhores somente para 2016 – se o mercado readquirir confiança por parte dos consumidores e empresários. Adicionalmente, o cenário externo para curto prazo não favorece: em termos de economia internacional, o impacto mais relevante deverá vir da retirada dos estímulos monetários americanos, subindo os juros internacionais e afetando consequentemente economias emergentes. Levando em consideração toda esta gama de variáveis, os desafios para 2015 parecem bem maiores, o que tem levado tanto o mercado como o próprio Banco Central a trabalharem com crescimento negativo para a economia neste ano.

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….