Mudanças do BC devem injetar R$ 30 bi na economia

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Banco Central anunciou nesta manhã ajustes nas regras dos depósitos compulsórios. Os chamados depósitos compulsórios são parte do dinheiro depositado pelos clientes que os bancos são obrigados a recolherem aos cofres do BC. A autoridade monetária decidiu liberar até metade dos recursos relativos aos depósitos a prazo. Ou seja, em vez de ter de entregar ao BC, os bancos podem emprestar esse dinheiro ou até comprar carteiras de crédito de outros bancos. Esses ajustes podem injetar R$ 30 bilhões no sistema financeiro. A autorização tem prazo de um ano.

Em dezembro de 2010, o BC adotou um conjunto amplo de medidas macroprudenciais para conter o rápido avanço do crédito. Embora o argumento do BC para tomar essas ações de desmontagem das medidas macroprudenciais tenha sido que os depósitos subiram significativamente nos últimos anos, que houve moderação no crédito recentemente e que a inadimplência está em patamares baixos e o nível de risco no sistema financeiro diminuiu, o que se nota é que a preocupação com o lento crescimento do país foi o que levou o BC a tomar estas medidas para estimular a economia e aumentar o crédito disponível no mercado. O Ministério da Fazenda vem afirmando que a falta de crédito, sobretudo de financiamento a veículos, é um dos fatores que debilitam a economia. No entanto, as medidas anunciadas não garantem, necessariamente, uma melhora na expansão da economia. O momento atual não é de falta de liquidez, ou seja, dinheiro disponível no mercado. O momento é de um problema de confiabilidade. Os riscos de empréstimos aumentaram porque a economia está desacelerando. As medidas macroprudenciais também têm efeitos sobre a demanda agregada e sobre a evolução da inflação. Se o objetivo é estimular a economia através de aumento do consumo, essas medidas estão indo no sentido contrário à prioridade de combater a inflação.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…