O ano do desemprego

Por Bruna Martins/Flávio Calife

O desemprego atingiu novo recorde da série histórica e, ao lado da inflação, transformou-se em variável extremamente preocupante para as famílias ao longo de 2015. Segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego encerrada em outubro (trimestre móvel que compreende agosto, setembro e outubro) atingiu 9,0%, a maior taxa desde o começo da série iniciada em 2012. Na comparação contra o período encerrado em 2014, a taxa de desocupação aumentou 2,4 p.p. O ano de 2015 marca também a inflexão na tendência do indicador, que vinha em queda e passou a crescer ininterruptamente a partir de janeiro do ano passado.

O ambiente econômico não deve ajudar. Com a persistente retração da atividade econômica, o desemprego tende a seguir em alta, reduzindo o poder de barganha dos trabalhadores em relação aos salários. O rendimento habitual real referente ao trimestre encerrado em outubro recuou para R$1.895, apresentando uma contração de 1% na comparação interanual.

Desemprego e inflação em alta somados a uma redução da renda corroeram o poder de compra das famílias ao longo do ano, que tiveram que readequar o padrão de consumo para um nível condizente com esse cenário. Com o consumo em desaceleração e a indústria descendo a ladeira, a atividade econômica não apresenta sinal de melhora no curto prazo. O indicador do Banco Central que antecede o PIB (IBC-Br), também divulgado hoje, já atingiu queda de 3,85% no acumulado de janeiro a novembro e a expectativa do mercado para o próximo ano já se encontra em -3%.

Mais um ano de más notícias no mercado de trabalho está por vir

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…