O eufemismo do COPOM

Por Yan Cattani

Quando algum analista de mercado aponta que “a demanda agregada continuará a se apresentar moderada no horizonte relevante para a política monetária”, a interpretação que nos vem à mente é que, diante do atual cenário, nada deverá melhorar em termos de atividade econômica, tampouco piorar.

No entanto, quando esta mesma afirmação parte do principal documento de sinalização econômica do país, a Ata do COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central), o sinal amarelo acende. Não porque o cenário analisado pela autoridade monetária seja fantasioso, ou mesmo que suas projeções sejam otimistas demais, mas é que não faz parte do papel do Banco Central fazer alarde para qualquer tipo de rumo que a economia está tomando. Sua cautela, antes de tudo, deve-se à sinalização emitida e a consequente interpretação dos agentes de mercado.

De fato, no último trimestre de 2015 o principal elemento da demanda agregada, o consumo das famílias, encontrava-se em vertiginosa queda. E para piorar, este cenário parece longe de ser revertido: um dos primeiros dados de atividade econômica, da Pesquisa Mensal do Comércio divulgada pelo IBGE, mostra que o varejo em janeiro continuou intensificando sua queda na avaliação dos resultados acumulados em 12 meses, já atingindo 5,2%.

Por ora, o BC conta com “as hipóteses de manutenção da taxa de câmbio em R$3,95/US$ e da taxa Selic em 14,25% ao ano (a.a.) em todo o horizonte relevante”. Caso ocorra um alívio inflacionário derivado da valorização cambial, em um cenário de retração econômica, a manutenção dos juros em 14,25% torna-se desnecessária, abrindo espaço para uma diminuição da Selic.

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….