Política fiscal necessita de mais credibilidade

Por Marcel Augusto Caparoz, da RC Consultores

Na última sexta feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou que cortará inicialmente do orçamento menos de R$ 15 bilhões, prometendo novos cortes ao longo do ano com o objetivo de atingir “a qualquer custo”, a meta de superávit primário de 2,3%. Parte dessa economia será obtida através do corte dos gastos com custeio da administração pública.

Promessas parecem já não fazer efeito sobre os mercados. Na última sexta feira, quando foi divulgado o IPCA de junho abaixo da expectativa de mercado, os contratos futuros de juros com vencimento em janeiro de 2017 chegaram a subir 0,19%, reagindo ao discurso do ministro. Medidas tímidas não serão suficientes para resgatar a abalada credibilidade do governo, desgastada após inúmeros casos de utilização de “contabilidade criativa” para fechamento das contas públicas, além do recorrente crescimento dos gastos correntes acima do PIB nominal.

Ed.222

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…