Políticas de austeridade Fiscal perdem força

Por Paulo Rabello de Castro / José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores
O governo da Espanha anunciou que vai adiar os esforços para reduzir o déficit fiscal abaixo de 3% do PIB para 2016. A Espanha não está sozinha. Das cinco maiores economias da zona do euro, quatro adotaram posições contra a austeridade: França, Itália, Holanda e Espanha. Depois de três anos de hegemonia no discurso a favor das políticas de austeridade, a Alemanha começa a se isolar. A austeridade fiscal perde força na zona do euro.

O argumento contra a austeridade tem tido apoio até do FMI, suposto bastião da ortodoxia conservadora em matéria fiscal. O clamor geral agora é por mais gastos. O risco dessa inversão no princípio de compromisso com uma meta de reequilíbrio fiscal é a política econômica ficar sem qualquer âncora teórica. O limite de endividamento para uma nação é a soma do que gastam a sociedade e o Estado. Os novos austeros gastadores não fazem essa conta. Saem detonando o princípio da austeridade genericamente, no que arriscam destruir um conceito longamente sedimentado nas sociedades contemporâneas.

Ed.174

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…

Cresce fatia dos que utilizarão o 13º salário para pagar contas de início de ano e poupar

  Dos mais de mil entrevistados pela Boa Vista SCPC, em sua pesquisa online sobre hábitos de consumo para o Natal e Fim de Ano, 75% dos respondentes afirmaram que receberão o 13º salário. Destes, 37% disseram que utilizarão a renda extra para quitar dívidas, o que representa uma queda de 19 pontos percentuais (p.p.)…