Portugal prepara saída do programa de resgate

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Ao cumprir cerca de 75% do percurso de ajustamento fiscal exigido pela Troika (BCE, FMI e Comissão Europeia), a economia portuguesa começa a apresentar sinais mais claros de recuperação da sua prolongada recessão, desde que se viu obrigada a pedir reestruturação de pagamentos da sua dívida soberana, em parte pelo socorro que o governo promoveu ao sistema bancário local. As exportações de Portugal reagiram desde o ano passado. A poupança das famílias subiu enquanto o endividamento empresarial começa a baixar, embora lentamente. O mais importante: a produtividade voltou a crescer e os start-ups mostram a vitalidade de uma nova geração de empreendedores no país.

Em recente simpósio no Algarve, promovido pelo LIDE Portugal, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, foi claro em convocar o interesse brasileiro para estreitar mais os laços econômicos com a Europa através de Portugal. Não se pensa mais, entretanto, em acordos via Mercosul e, sim, em nível bilateral, do Brasil diretamente com a Comunidade. Portugal ainda é retardatário, na Europa do euro, em termos de sua produtividade do trabalho. Para tanto, é essencial perseguir maior atração de capital. O programa de incentivo ao capital externo ganhará novos contornos com a próxima reforma do IRC português, que é o Imposto de Renda Pessoa Jurídica deles. De um patamar atual na faixa de 31,5%, o governo envia hoje ao Parlamento uma proposta que gradualmente trará o IRC para a faixa de 15% a 17% em 5 anos. Já para 2014, a taxa do IRC terá uma redução de dois pontos percentuais, passando para 29,5%. Iniciativa agressiva para o conservadorismo lusitano, esta medida pode representar o início de uma revolução competitiva para colocar Portugal em linha com os lugares mais atrativos para se fazer e ter negócios no mundo. No Algarve, tive a oportunidade de propor um “Big Bang” português, tal qual fez a City londrina nos anos 1990.

Ed.292

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…