Queda de arrecadação e falta de controle dos gastos pode comprometer meta de superávit

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Receita Federal revisou de 3,5% a 4% para 1,5% a 2% a projeção de crescimento real da arrecadação neste ano.  Em agosto, a arrecadação foi 1,84% menor, em termos reais, que a de agosto de 2011. Nos oito primeiros meses do ano o aumento foi de 1,45% sobre igual período do ano passado. A queda dos lucros das empresas e o desaquecimento econômico são os maiores responsáveis por esse resultado.

Com a queda da receita, a meta de superávit primário, de 3,2% do PIB, corre risco de não ser cumprida. Para tentar fechar a conta, o governo já começa a fazer manobra fiscal. Por meio de um decreto presidencial publicado no Diário Oficial da última segunda-feira, o Conselho de Administração do BNDES (que é controlado pelo governo) foi autorizado a declarar dividendos intermediários relativos ao lucro do banco no balanço encerrado em 30 de junho. O repasse de recursos vai acontecer apesar da queda de 48% no lucro do BNDES no primeiro semestre deste ano.  Outras operações desse tipo serão necessárias. O grande problema é que o governo não está contendo gastos.

Ed.37

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…