Reformas estruturais no México elevam credibilidade do país

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

A agência de classificação de risco Moody´s anunciou hoje a elevação da nota do México de “Baa1” para “A3”, mantendo-se como grau de investimento e ascendendo do patamar de grau médio para médio-alto segundo a escala da agência. A agenda reformista adotada por Peña Nieto, presidente mexicano que encerrou em 2013 seu primeiro mandato, conseguiu que fossem aprovadas as reformas educativa, das telecomunicações e fiscal. Segundo a Moody´s, as reformas estruturais motivaram a elevação do rating soberano do país, uma vez que fortalecem a perspectiva de crescimento mais robusto e de uma melhora gradual dos fundamentos fiscais.

Em contrapartida, o Brasil continua caminhando na contramão de seus parceiros latinos como Chile e México. As despesas extraordinárias que em 2013 oneraram significativamente o orçamento não devem dar o esperado alívio neste ano. A ausência de chuvas e aumento do consumo de energia impulsionam o preço do megawatt/hora. A postergação da bandeira tarifária para 2015 fará com que novamente o Tesouro tenha que cobrir este custo, que em 2013 somou cerca R$ 7,9 bi. A desoneração da folha de pagamentos fez com que o Tesouro compensasse as perdas de receita da previdência com R$ 9 bi ano passado, o que deve aumentar ainda mais conforme as empresas vão adotando o novo sistema. Outros programas de caráter extraordinário, como o combate aos efeitos da seca no Nordeste, devem continuar pressionando o quadro fiscal. A ausência de uma agenda de reformas estruturais efetiva e a deterioração da credibilidade do Brasil frente aos investidores e agências de rating fortalece a ameaça do País ver sua nota de crédito rebaixada.

Ed.359

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…