Saber esperar é uma virtude

Por Bruna Martins

O relatório Focus divulgado hoje pelo Banco Central não trouxe muitas novidades. Embora os agentes econômicos tenham iniciado um discurso mais otimista na semana passada, as expectativas podem indicar um pouco de cautela. A previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2016 teve uma leve piora de 0,02 p.p., atingindo recuo de 3,88%. Para o próximo ano, a estimativa manteve-se em 0,50%.

Publicado na última sexta-feira, o resultado do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR) pode ter contribuído com essa precaução. De acordo com o IBC-BR, a atividade recuou 1,44% no 1º trimestre de 2016 em relação ao trimestre imediatamente anterior. Em 12 meses, os números são mais intensos, passaram de 4,66% em fevereiro para 5,26% em março, indicando um início de ano pior do que o esperado.

Por outro lado, as projeções para a inflação e os juros apresentaram algum alento. Apesar de inalteradas para 2016 – a inflação continuou em 7,0% e a Selic em 13,00% – os analistas esperam novas reduções em 2017, podendo atingir 5,5% e 11,50%, respectivamente.

Desde o ano passado, a intensificação da crise política paralisou o país e com isso, as políticas econômicas foram se perdendo e as variáveis macroeconômicas se deteriorando. Entretanto, a episódica troca da presidência na semana passada parece ter dado um novo rumo para a economia. Contudo é cedo para avaliações definitivas, pois sua concretização e consequências ainda podem demandar mais tempo do que estamos dispostos a esperar

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio cresce 1,0% em janeiro

O Indicador do Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, avançou 1,0% em janeiro na comparação mensal dessazonalizada, de acordo com dados apurados pela Boa Vista. Na avaliação acumulada em 12 meses, o indicador subiu 1,3%. Já na variação contra janeiro do ano anterior o varejo cresceu…

Análise PMC: Black Friday antecipa vendas do Natal e varejo registra queda das vendas em dezembro

A queda da inadimplência das pessoas físicas – e, consequentemente, das taxas médias de juros ao consumidor – abriu espaço para o crescimento da oferta de crédito. Por outro lado, o elevado nível de desocupação e a fraca recuperação da renda – apesar da inflação baixa – ainda limitam a capacidade de endividamento e consumo…

Boa Vista: Recuperação de crédito cai 0,6% no acumulado em 12 meses

13 de fevereiro de 2019 – O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista – registrou queda de 0,6% no acumulado em 12 meses (fevereiro de 2018 até janeiro de 2019 frente os 12 meses antecedentes). Em janeiro o indicador…