Sem paciência

Como já era esperado, ontem a presidente do Federal Reserve (Fed) mudou o tom do comunicado ao mercado. Diante de boas previsões de crescimento do PIB americano em relação a outras economias desenvolvidas e com uma taxa de desemprego em 5,5%, Janet Yellen não pronunciou em seu discurso a palavra “patient”, indicando ao mercado que o Fed está mais próximo de uma política monetária pouco mais restritiva, mesmo que em um ritmo mais lento do que o esperado na última reunião. O aumento até pode acontecer em junho, mas a intensidade da alta deve ser menor do que o mercado esperava.

Apesar de uma revisão moderada para a estimativa da atividade econômica, algo entre 2,3% e 2,7% para 2015, o Fed espera que a taxa de desemprego atinja 5% ainda este ano e que a inflação convirja lentamente para 2%, alicerçando o início do ciclo de aperto monetário americano.

Este pronunciamento e as novas projeções apresentadas vão de encontro com a avaliação da OCDE de que o fortalecimento do dólar ante outras moedas pode inibir uma elevação na perspectiva de crescimento da economia americana, uma vez que pressiona as exportações e incentiva as importações. Para a organização, o Fed adiará a elevação dos juros pelo menos até a Europa apresentar algum sinal sólido de recuperação econômica e o euro voltar a se apreciar perante o dólar.

No Brasil, a mudança no comunicado deve trazer certo alívio à política monetária, mesmo que temporário. A depreciação acelerada do real deve dar uma trégua, reduzindo os efeitos sobre a inflação. Com isso o Banco Central brasileiro ficará menos pressionado a elevar os juros básicos nas próximas reuniões. Não é hora de ter paciência. É o momento de se aproveitar o tempo extra para acelerar os ajustes, principalmente os fiscais. Mas o cenário político não ajuda. Será que temos esse tempo para perder?

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…