Sem surpresas no mercado de crédito

Nenhuma surpresa na divulgação de hoje da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Banco Central. O ritmo de crescimento do saldo e da concessão de crédito desacelerou, juros e spreads subiram, e a inadimplência do consumidor começou a se manifestar.

O saldo de crédito total que crescia a 11,1% no final de 2014, cresce em maio 10,1% e a tendência é que continue recuando ao longo do ano, para algo em torno de 8%, em termos nominais. Se considerarmos as expectativas de inflação de 8,97% para o ano, teremos um crescimento negativo de 0,89% no saldo de crédito. O crédito livre ao consumidor continua em trajetória de queda e já atinge 4,6% de crescimento nominal, ante 5,1% em dezembro. Nas concessões, a novidade foi o recuo no crédito às pessoas físicas, já que as concessões às empresas continuam em queda de 3,6%. As concessões para as famílias em 12 meses agora crescem 6,6% contra 8,4% medido em abril.

Os juros voltaram a subir, refletindo os aumentos nas taxas básicas e nos riscos dos empréstimos. A taxa para pessoas físicas subiu 1,2 p.p. no mês, e bate recorde da atual série histórica iniciada em 2011, ao atingir 57,3% ao ano. Em um ano a taxa subiu 8,5 p.p., com aumento de 1,1 p.p. na taxa de captação e 7,4 p.p. nos spreads. Como o ciclo de aperto monetário do BC ainda não chegou ao fim e os riscos estão aumentando, podemos esperar novas rodadas de aumento nos juros finais a consumidores e empresas.

A inadimplência subiu em todas as categorias agregadas. No total do sistema financeiro os atrasos acima de 90 dias chegam a 3,02%, contra 2,96% de abril e 2,73% de dezembro de 2014. Nas modalidades com recursos livres, a inadimplência das empresas segue na trajetória de alta iniciada em dezembro de 2014. De lá pra cá a taxa passou de 3,4% para 4% em maio de 2015, refletindo a maior dificuldade das empresas em honrar compromissos em cenário de retração da economia, que ainda não tem prazo para terminar.

A novidade negativa, apesar de esperada, é que a inadimplência dos consumidores, que ainda se mantinha alheia ao cenário econômico, parece começar a sentir os efeitos e a mudar de tendência. Desde setembro de 2012, quando atingiu o ponto máximo da atual série, a inadimplência entrou em rota de queda praticamente ininterrupta até dezembro de 2014 e agora dá sinais de inversão da curva. Ao que tudo indica o cenário atual deve contribuir para que a tendência de alta permaneça.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Pagamento de contas diversas é o que mais pesa no bolso do consumidor

São as contas diversas que estão impossibilitando de o consumidor manter o seu fluxo de caixa organizado e o “nome limpo”, segundo pesquisa online semestral realizada pela Boa Vista SCPC para identificar o Perfil do Consumidor Inadimplente. Dos quase 4 mil respondentes, de todo o Brasil, 23% afirmaram que manter em dia o pagamento de…

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…