Varejo perde força até maio e consumidor está menos confiante

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

A locomotiva do PIB nos últimos dois anos tem sido o consumidor. O índice de avanço do varejo, em volume real de vendas, segundo o IBGE, ficou na faixa média de 9%, com uma variação entre 7 e 11% positivos em 2011-12. Trata-se de um resultado impressionante quando se compara com o desempenho sofrível da atividade produtiva industrial. Mas não mais.  Em 12 meses acumulados e encerrados em abril de 2013, o índice fechará abaixo de 7% seguindo uma trajetória descendente, em termos de ritmo, na direção de 5% ao fim deste ano. Neste março, o resultado já foi de apenas 4,4%. Ainda assim, a variação do varejo em 2013 será melhor do que a dos demais setores da economia. Aos poucos, porém, deixa de puxar o índice do PIB na mesma intensidade dos dois anos anteriores.

O comportamento menos eufórico do varejo este ano coincide com o crédito pessoal ainda em franca expansão nos bancos oficiais e a inadimplência sob controle. O avanço do crédito encontra, no entanto, um consumidor menos disposto a ampliar seu endividamento. O ciclo de avanço do crédito parece ter encontrado uma clara linha de resistência. O aumento dos juros pelo Banco Central também conspira contra a repetição do desempenho dos anos anteriores.

Ed.193

 

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,4% em outubro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,4% em outubro quando comparado a setembro na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (novembro de 2016…

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…