[ANÁLISE PMC] Crédito e confiança favoreceram vendas do comércio em julho

A aceleração das concessões de crédito às pessoas físicas parece estar por trás do crescimento das vendas do comércio varejista em julho. Também pode ter colaborado a melhora da avaliação da situação atual, que vem sendo responsável pelo ligeiro aumento da confiança do consumidor nos últimos meses.

Essa é a avaliação dos economistas da Boa Vista em sua análise da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) de julho, divulgada nesta quarta-feira (11) pelo IBGE.

Em julho, as vendas do varejo restrito cresceram 1% em relação a junho, na série com ajuste sazonal. O dado de junho, por sua vez, foi revisado de alta de 0,1% para crescimento de 0,5%.

Na comparação com julho de 2018, as vendas cresceram 4,3%. Com isto, elas acumulam alta de 1,2% no ano e 1,6% em 12 meses.

O varejo ampliado, que inclui as vendas de materiais de construção e automóveis, por sua vez, cresceu 0,7% no mês e acumula alta de 3,8% no ano e 4,1% em 12 meses.

Os dados surpreenderam positivamente os economistas da Boa Vista, que, contudo, alertam que ainda é cedo para otimismo. Isto porque o fraco crescimento da renda, o elevado nível de desocupação e subutilização da mão de obra e o endividamento em alta representam obstáculos para uma retomada sustentada do crédito e do consumo.

“As concessões de crédito com recursos livres aos consumidores vêm se acelerando desde maio, o que parece estar por trás do crescimento das vendas do varejo em junho e julho. O mercado de trabalho, contudo, segue bastante fragilizado, com o desemprego caindo basicamente por causa da expansão da informalidade e do trabalho por conta própria. A renda cresce pouco, o que tem resultado em aumento do endividamento e do comprometimento da renda, elevando, com isto, o risco de maior inadimplência mais à frente”, explicam.

Por outro lado, os economistas ponderam que a liberação dos recursos do FGTS deve representar um alívio para consumidor e um fôlego adicional para o crédito e o varejo.

Na análise setorial, a equipe da Boa Vista destacou o crescimento das vendas de móveis e eletrodomésticos em julho (após duas quedas) e o terceiro aumento mensal consecutivo das vendas do setor de vestuário e calçados.

“São dois setores bastante dependentes de condições favoráveis do mercado de crédito”, concluem.

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…