[ANÁLISE PMC] : setor de serviços e pequenas empresas sustentam crescimento da carteira de crédito para empresas

As estatísticas de crédito de fevereiro, divulgadas hoje pelo Banco Central, não alteram o diagnóstico que vem sendo apontado pela equipe econômica da Boa Vista em suas análises: inadimplência relativamente estável na margem, próxima aos menores patamares da série histórica, e retomada das concessões.

Nos primeiros meses de 2019, merece destaque, em particular, a retomada do crescimento da carteira de crédito total para as empresas, que registrou queda de meados de 2016 até o final de 2018. Após recuo de 0,9% em outubro, ela ficou estável em novembro e cresceu 1,3% em dezembro, 1% em janeiro e 1,4% em fevereiro – sempre na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Ainda que tímida, é verdade, a expansão da carteira de crédito total para as pessoas jurídicas vem sendo puxada pelo setor de serviços, quando é considerada a segmentação por atividade econômica, e pelo segmento de micro, pequenas e médias empresas (MPMe), quando se faz a análise por porte.

“A demanda por crédito está bastante associada à situação financeira do setor. Ainda que a retomada da economia, de maneira geral, esteja ocorrendo a um ritmo aquém do desejado, com sinais cada vez mais evidentes de desaceleração, há forte discrepância entre os diversos segmentos de atividade. No comércio, por exemplo, a expansão das vendas, ainda que lenta, somada ao surgimento de novas soluções de crédito, tem viabilizado o aumento das operações para o segmento. Na indústria, por outro lado, onde os sinais de desaceleração são mais evidentes e ainda existe muita capacidade ociosa, a carteira de crédito registra recuo”, argumentam os economistas.

De fato, de acordo com dados de fevereiro de 2019 do Banco Central, a carteira de crédito das operações para o setor industrial recuou 3,4% em fevereiro de 2019 na comparação com o mesmo mês de 2018. No setor de serviços, por sua vez, foi registrado crescimento de 6,9% no mesmo período, sendo que no comércio – a maior carteira dentro do segmento de serviços –, a alta foi de 5,5%. A modalidade de antecipação de faturas de cartão, por exemplo, muito comum no comércio, cresceu 35,6% em um ano.

Dentro do próprio comércio, por sua vez, também são observadas discrepâncias. Enquanto a carteira do comércio varejista cresceu apenas 3,6%, a do setor atacadista aumentou 7,4%, o que parece associado ao desempenho dos setores. “No varejo alimentício, por exemplo, os chamados ‘atacarejos’ vêm registrando crescimento muito superior ao dos supermercados”, exemplifica a equipe econômica da Boa Vista.

Na análise por porte, pelo segundo mês consecutivo as operações para MPMe crescem a um ritmo superior ao das grandes empresas. Em fevereiro, o saldo das operações para MPMe subiu 3,7% na comparação com fevereiro de 2018, contra alta de apenas 0,2% do saldo das grandes empresas.

“A oferta de crédito para o segmento de MPMe ficou muita mais restrita durante a crise, já que a inadimplência no segmento é maior. Passado o pior momento da crise, o cenário para o segmento melhorou. Além disso, a maior parte dos pequenos negócios se concentram no setor de serviços”, concluem os economistas da Boa Vista.

 

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…