Boa Vista dá dicas de como o consumidor pode usar o dinheiro do FGTS

O que fazer com o dinheiro sacado do FGTS de contas ativas e inativas? Serão até R$ 500 por conta, o que corresponde a meio salário mínimo atualmente (R$998,00). Algumas famílias poderão duplicar ou triplicar esse valor, dependendo de quantas pessoas tiverem direito a sacar, o que pode representar uma possibilidade para voltar ao azul, equilibrar as finanças ou até poupar.

A Boa Vista dá algumas dicas de como o consumidor que pretende sacar o FGTS pode utilizar o valor. Para se ter uma ideia, segundo uma pesquisa divulgada recentemente pela Boa Vista, 68% dos consumidores entrevistados têm direito ao saque e, dentre eles, 67% pretendem fazê-lo.

Sair do vermelho

Para quem tem dívidas em aberto, esse dinheiro do FGTS pode servir para quitá-las ou abater do total. Nesse caso, o indicado é dar prioridade ao pagamento das dívidas com juros mais altos, como a fatura do cartão de crédito ou o cheque especial.

Outra prioridade deve ser as contas de serviços básicos, como luz, água e telefone. Com o dinheiro na mão, é possível negociar um desconto da dívida com os credores. No entanto, isso deve ser feito dentro de um planejamento financeiro. Levando em consideração as receitas e as despesas da família e colocando tudo na ponta do lápis ou em uma planilha no Excel, que pode ser encontrada para download no site www.consumidorpositivo.com.br da Boa Vista. Neste endereço também é possível consultar as dívidas atrasadas, gratuitamente.

Quitar parcelas de dívidas

Se as contas estão em dia, mas ainda faltam várias prestações pela frente, uma opção é antecipar algumas, desde que o consumidor consiga negociar algum desconto.

Caso contrário é melhor aplicar o dinheiro, até mesmo na poupança, e ir pagando mensalmente as prestações.

Reserva de emergência

Se o consumidor está com as contas em dia e o orçamento sob controle, então o valor do FGTS pode ser a oportunidade de fazer ou aumentar a reserva de emergência, aquele dinheiro que o consumidor deixa guardado para usar apenas num momento crítico.

Mesmo que o valor sacado do FGTS não chegue ao ideal para a reserva, já é o primeiro passo para o consumidor ter uma poupança para quando ficar sem renda ou em caso de alguma necessidade imprevista.

Investimentos

Já para aqueles consumidores que estão com as finanças organizadas e inclusive com uma boa reserva de emergência, um outro caminho é poupar. A caderneta de poupança pode ser uma boa opção.

Títulos do Tesouro Direto, cujo valor mínimo de investimento é de aproximadamente R$ 35,00, também podem ser considerados caso o consumidor queira aplicar o dinheiro do FGTS, uma vez que rendem mais que a poupança. Porém, é preciso que o consumidor tenha em mente que os títulos são tributados e o percentual de retorno depende do prazo no qual o dinheiro ficará investido.

O valor sacado do FGTS também pode ser utilizado em um plano de previdência privada.

Invista em você

O consumidor também pode pensar na possibilidade de utilizar o valor sacado do FGTS para pagar um curso, aprimorar conhecimentos, adquirir novas práticas e, assim, ser mais competitivo no mercado de trabalho.

Pequeno negócio

O dinheiro do FGTS pode servir também para dar início a um pequeno negócio que complemente a renda mensal. Investir na produção de chocolates, bombons, brigadeiros, bolos, artesanato é uma possibilidade de aumentar os ganhos mensais e, quem sabe, virar, no futuro, a principal atividade e fonte de renda do consumidor.

Compras

Se o consumidor está no azul, com todas as finanças organizadas na ponta do lápis e quer usar parte desse dinheiro extra para comprar algo também é possível, desde que seja feito um planejamento.

O indicado é pesquisar o preço do produto, checar o orçamento e escolher a melhor forma de pagamento para não comprometer as finanças.

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Reabertura com crédito

A flexibilização do comércio em diferentes regiões do Brasil traz incertezas na decisão de concessão de crédito. Diante deste cenário, a Boa Vista identificou um movimento de aceleração da adoção ao Cadastro Positivo pelas pequenas, médias e grandes empresas. Desde o início da pandemia, já somam mais de um milhão de consultas às soluções da…

IPCA avança 0,36% em julho, sendo o maior resultado para um mês de julho desde 2016

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançou 0,36% no mês de julho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,31%, 0,18 p.p. acima da variação observada em junho.  Com esse resultado, o indicador acumulou alta de 0,46% no ano. O grupo Transportes (0,78%) foi o que registrou maior impacto positivo sobre o…

Pedidos de falência recuam 12,6% em julho

Os pedidos de falência caíram 12,6% em julho, na comparação com junho, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 37,6% e 37,9%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram alta de 16,8% na variação mensal. Na análise…