Boa Vista SCPC prevê maior inadimplência e queda na demanda por crédito

A inadimplência deve crescer em 2016, tanto para os consumidores quanto para as empresas. A conclusão é de um estudo realizado pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com base em comportamento e tendências dos indicadores que a empresa calcula mensalmente.

A Boa Vista SCPC calcula que a taxa da inadimplência para as empresas vai aumentar para 5% em 2016, uma alta em relação aos 4,5% verificados no ano passado. Para as pessoas físicas, o ajuste estrutural do mercado de trabalho deverá ter impacto maior, com a inadimplência subindo para 6,8% em 2016, em comparação aos 6,1% de 2015.

Em 2016 a Boa Vista SCPC prevê que a tendência de maior seletividade dos concedentes de crédito continue, e que a demanda por crédito dos consumidores recue, embora seja possível uma elevação do crédito por parte das empresas.

Com esta perspectiva, o crédito deverá sofrer nova desaceleração, podendo crescer em torno de 3,5% em termos nominais. Para os recursos livres, que já vêm crescendo menos do que os recursos direcionados, a redução deve ser de 3,7% para 1,8%. Para os recursos direcionados, espera-se também uma redução do ritmo pela metade, atingindo um crescimento em torno de 5,1%.

A Boa Vista SCPC chegou a essas estimativas levando em conta que as expectativas do mercado para 2016 começaram piores que as do ano anterior: a atividade econômica brasileira deverá enfrentar mais um ano de recessão com impactos sobre o mercado de trabalho, os juros e a inflação deverão permanecer em patamares elevados.

Esses fatores vêm apertando o orçamento dos consumidores e corroendo a renda das famílias, que muitas vezes procuram por crédito para pagar suas contas correntes. Embora a demanda por crédito continue em queda, estes novos empréstimos tendem a ser concedidos para pessoas com maior risco de crédito, pois são aquelas que mais procuram por financiamentos emergenciais nesses momentos.

Já a demanda de crédito tem se comportado de forma diferente para as empresas e para os consumidores. Com a retração da atividade econômica, as empresas recorrem aos empréstimos a fim de compensar as quedas no fluxo de caixa. Devido ao encarecimento do crédito e à maior seletividade dos concedentes, as empresas encontram dificuldades em quitar suas dívidas. Apesar da demanda ser maior, a oferta de crédito para as empresas está diminuindo devido ao elevado risco.

Mesmo com o fim do ciclo de aperto monetário, o encarecimento dos custos e o aumento dos riscos pressionarão a taxa de juros ao consumidor, que deverá manter tendência de alta devido ao aumento dos spreads.

Dada a piora do cenário macroeconômico, o endividamento pode se tornar um problema a medida que a renda recua e os juros sobem, aumentando o comprometimento da renda das famílias com o pagamento de dívidas e elevando o risco de inadimplência. Como 2016 será mais um ano em que a economia brasileira patina, as variáveis macroeconômicas devem afetar ainda mais fortemente o mercado de crédito.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Pagamento de contas diversas é o que mais pesa no bolso do consumidor

São as contas diversas que estão impossibilitando de o consumidor manter o seu fluxo de caixa organizado e o “nome limpo”, segundo pesquisa online semestral realizada pela Boa Vista SCPC para identificar o Perfil do Consumidor Inadimplente. Dos quase 4 mil respondentes, de todo o Brasil, 23% afirmaram que manter em dia o pagamento de…

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…