Boa Vista SCPC prevê maior inadimplência e queda na demanda por crédito

A inadimplência deve crescer em 2016, tanto para os consumidores quanto para as empresas. A conclusão é de um estudo realizado pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com base em comportamento e tendências dos indicadores que a empresa calcula mensalmente.

A Boa Vista SCPC calcula que a taxa da inadimplência para as empresas vai aumentar para 5% em 2016, uma alta em relação aos 4,5% verificados no ano passado. Para as pessoas físicas, o ajuste estrutural do mercado de trabalho deverá ter impacto maior, com a inadimplência subindo para 6,8% em 2016, em comparação aos 6,1% de 2015.

Em 2016 a Boa Vista SCPC prevê que a tendência de maior seletividade dos concedentes de crédito continue, e que a demanda por crédito dos consumidores recue, embora seja possível uma elevação do crédito por parte das empresas.

Com esta perspectiva, o crédito deverá sofrer nova desaceleração, podendo crescer em torno de 3,5% em termos nominais. Para os recursos livres, que já vêm crescendo menos do que os recursos direcionados, a redução deve ser de 3,7% para 1,8%. Para os recursos direcionados, espera-se também uma redução do ritmo pela metade, atingindo um crescimento em torno de 5,1%.

A Boa Vista SCPC chegou a essas estimativas levando em conta que as expectativas do mercado para 2016 começaram piores que as do ano anterior: a atividade econômica brasileira deverá enfrentar mais um ano de recessão com impactos sobre o mercado de trabalho, os juros e a inflação deverão permanecer em patamares elevados.

Esses fatores vêm apertando o orçamento dos consumidores e corroendo a renda das famílias, que muitas vezes procuram por crédito para pagar suas contas correntes. Embora a demanda por crédito continue em queda, estes novos empréstimos tendem a ser concedidos para pessoas com maior risco de crédito, pois são aquelas que mais procuram por financiamentos emergenciais nesses momentos.

Já a demanda de crédito tem se comportado de forma diferente para as empresas e para os consumidores. Com a retração da atividade econômica, as empresas recorrem aos empréstimos a fim de compensar as quedas no fluxo de caixa. Devido ao encarecimento do crédito e à maior seletividade dos concedentes, as empresas encontram dificuldades em quitar suas dívidas. Apesar da demanda ser maior, a oferta de crédito para as empresas está diminuindo devido ao elevado risco.

Mesmo com o fim do ciclo de aperto monetário, o encarecimento dos custos e o aumento dos riscos pressionarão a taxa de juros ao consumidor, que deverá manter tendência de alta devido ao aumento dos spreads.

Dada a piora do cenário macroeconômico, o endividamento pode se tornar um problema a medida que a renda recua e os juros sobem, aumentando o comprometimento da renda das famílias com o pagamento de dívidas e elevando o risco de inadimplência. Como 2016 será mais um ano em que a economia brasileira patina, as variáveis macroeconômicas devem afetar ainda mais fortemente o mercado de crédito.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…