Inadimplência encerra 2014 com alta de 2,3%, revela Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor cresceu 2,3% em 2014, em todo o país, na comparação com 2013, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Em 2013, o indicador de inadimplência apresentou queda de 0,3%.

Na comparação mensal (dez/14 contra nov/14), com ajuste sazonal, houve queda de 0,7%. E na comparação interanual (dez/14 contra dez/13), o indicador apresentou elevação de 4,2%.

O valor médio das dívidas do consumidor brasileiro registradas em dezembro de 2014 foi de R$1.263,30, após ajustes estatísticos.

grafic1

 

Este resultado de alta de 2,3% na inadimplência do consumidor em 2014 ficou dentro do esperado pela Boa Vista SCPC, que desde o início do período já projetava um crescimento pequeno. As bases da projeção de fato se confirmaram durante o ano.

Se, por um lado, as taxas de juros em alta, a inflação persistentemente próxima do teto da meta e a desaceleração do crescimento da renda do trabalhador (com reajustes salariais menores do que em anos anteriores) poderiam pressionar para uma alta mais relevante, por outro lado os critérios mais rigorosos nas concessões, a manutenção do desemprego em baixa e o consumidor mais maduro e consciente dos seus limites no que tange ao uso do crédito, impediram um crescimento maior da inadimplência.

Caso este cenário não se modifique, a expectativa da Boa Vista SCPC é de que, ao final de 2015, a inadimplência do consumidor esteja ligeiramente acima do patamar de crescimento registrado em 2014, crescendo em torno de 3,0% no ano. Para a taxa de inadimplência aferida pelo Banco Central através da modalidade de recursos livres destinados às famílias, a expectativa da Boa Vista para 2015 é de 7,2% de inadimplência do total de recursos do sistema.

grafic2

Regiões

Na análise regional, o resultado acumulado no ano apresentou a seguinte configuração: Sudeste (0,6%), Norte (0,8%), Nordeste (2,4%), Centro-Oeste (6,0%) e Sul (8,3%).

Varejo

Quando considerado apenas o setor de varejo, a inadimplência subiu 1,4% em dezembro/14, quando comparado ao mês anterior, descontados os efeitos sazonais. Mantida a base de comparação, houve alta em todas as regiões, com exceção da Sudeste que permaneceu estável. A região Sul apresentou a elevação mais significativa (8,5%), seguida do Norte (6,0%); Centro-Oeste (2,0%), enquanto o Nordeste variou (0,3%).

Metodologia

O indicador de registro de inadimplência é elaborado a partir da quantidade de novos registros de dívidas vencidas e não pagas informados à Boa Vista pelas empresas credoras. As séries têm como ano base a média de 2011 = 100 e passam por ajuste sazonal para avaliação da variação mensal. A partir de janeiro de 2014, houve atualização dos fatores sazonais e reelaboração das séries dessazonalizadas, utilizando o filtro sazonal X-12 ARIMA, disponibilizado pelo US Census Bureau.

 

Comentários

comentários

Posts relacionados

34% dos consumidores dizem não ter controle dos ganhos e gastos

Para investigar os hábitos sobre controle orçamentário e fontes de informações sobre o tema, a Boa Vista SCPC realizou uma pesquisa inédita com aproximadamente 1200 consumidores, de todo o Brasil, e constatou que 34% dos entrevistados não controlam o quanto ganham e gastam no mês. Realizada entre os meses de maio e julho, a pesquisa…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,70% em outubro

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] foi de 1,70% em outubro, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,76 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados diminuiu frente ao mês de setembro (quando o nível…

Vendas no varejo crescem 0,5% em setembro e caem 0,6% no acumulado 12 meses

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no Varejo restrito subiu 0,5% em setembro na comparação mensal (com ajuste sazonal), enquanto na variação acumulada em 12 meses, a trajetória do indicador apresentou melhora de 1 p.p. em relação ao mês anterior, apresentando retração de apenas 0,6%….