Pedidos de falência caem 20,4% no acumulado em 12 meses

Os pedidos de falência caíram 20,4% no acumulado de 12 meses (outubro de 2017 até setembro de 2018 comparado aos 12 meses antecedentes), segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista SCPC. Mantida a base de comparação, as falências decretadas registraram alta de 13,0% e os pedidos de recuperação judicial subiram 1,4%. As recuperações judiciais deferidas apontaram avanço de 1,3%.

Na comparação mensal os pedidos de falência caíram 24,2% em relação a agosto, assim como os pedidos de recuperação judicial (-50,0%), falências decretadas (-15,7%) e recuperações judiciais deferidas (48,9%).

De acordo com os resultados acumulados em 12 meses, os pedidos de falência continuam caindo. O movimento de queda está atrelado a melhora nas condições econômicas desde o ano passado, que permitiu as empresas apresentarem sinais mais sólidos nos indicadores de solvência. Entretanto, a continuidade desse processo dependerá de uma retomada mais acelerada da atividade econômica.

 

Distribuição das falências e recuperações judiciais por porte

A tabela 2 mostra como estão distribuídas as falências e recuperações judiciais por porte de empresa até setembro de 2018 a partir dos critérios de porte de empresa adotados pelo BNDES¹. As pequenas empresas, por exemplo, são responsáveis por 90% dos pedidos de falências e dos pedidos de recuperação judicial. Com relação as falências e recuperação judicial decretadas, também houve predominância de ocorrências entre pequenas empresas, sendo de 96% e 90%, respectivamente.

Fonte:Boa Vista
1 A CIRCULAR Nº 11/2010 do BNDES de 05 de março de 2010 classifica as categorias de porte das empresas de acordo com a receita operacional bruta anualizada. Microempresa – menor ou igual a R$ 2,4 milhões; Pequena empresa – maior que R$ 2,4 milhões e menor ou igual a R$ 16 milhões; Média empresa – maior que R$ 16 milhões e menor ou igual a R$ 90 milhões; Média-grande empresa – maior que R$ 90 milhões e menor ou igual a R$ 300 milhões; Grande empresa – maior que R$ 300 milhões.

Distribuição das falências e recuperações judiciais por setor

Na divisão por setor da economia, acumulado 12 meses, o setor de serviços foi o que representou o maior percentual nos pedidos de falência (45%), seguidos do setor industrial (30%) e do comércio (25%). Para os demais dados, segue o resumo apresentado na tabela 3 abaixo:

Fonte: Boa Vista

Com relação à variação dos pedidos de falência, a indústria foi o setor que mais reduziu na comparação dos valores acumulados em 12 meses (outubro de 2017 até setembro de 2018 frente aos doze meses antecedentes), com queda de 36%. Mantida base de comparação, o comércio e setor de serviços diminuíram seus pedidos de falência em 21% e 17% respectivamente.

Metodologia

O indicador de falências e recuperações judiciais é construído com base na apuração dos dados mensais registradas na base de dados da Boa Vista SCPC, oriundas dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e da Justiça dos estados.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Inadimplência do consumidor cai 1% em novembro, segundo a Boa Vista

De acordo com dados nacionais da Boa Vista, a inadimplência do consumidor recuou 1% em novembro na comparação com outubro, já descontados os efeitos sazonais. Em relação a novembro do ano passado, o indicador subiu 0,6%. Com isto, ele acumula queda de 2,7% no ano e no acumulado 12 meses (dezembro de 2018 até novembro…

Pedidos de falência caem 25,7% em novembro

Os pedidos de falência caíram 25,7% em relação a outubro, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Já as falências decretadas recuaram 10,9% na variação mensal, enquanto os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas diminuíram 43,9% e 34,5%, respectivamente. No acumulado em 12 meses (dezembro de 2018 até novembro de 2019…

Produção Industrial avança pelo terceiro mês consecutivo

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) avançou 0,8% em outubro, na comparação mensal ajustada sazonalmente. Já referente ao acumulado dos últimos doze meses, a atividade industrial recuou 1,3%. No acumulado de 2019, o setor também registrou queda de 1,1% em relação ao mesmo período do ano…