[PESQUISA] 55% dos consumidores deixariam de pagar financiamentos e despesas diversas em caso de queda na renda

De acordo com a pesquisa Perfil do Consumidor, realizada pela Boa Vista, 55% dos consumidores, com o nome sujo ou não, deixariam de pagar primeiro os financiamentos, que são contas pagas com boletos e carnês, e despesas diversas em caso de diminuição da renda familiar. Em seguida, 34% deixariam de pagar o cartão de crédito, enquanto 11% atrasariam o pagamento de empréstimo e cheque especial. A pesquisa ouviu pouco mais de 2.100 consumidores em todo o Brasil durante o 2º semestre de 2019.

Considerando apenas os consumidores com restrição, 47% apontaram as contas originadas por boletos, carnês e demais despesas diversas como as primeiras contas a não ser pagas. Os que não pagariam o cartão de crédito são 40%, e os que deixariam de pagar empréstimos e cheque-especial, 13%.

Já levando em conta somente os consumidores adimplentes, ou seja, que não possuem restrição, 61% atrasariam primeiro os boletos, carnês e despesas diversas, 28% o cartão de crédito e apenas 9% deixariam de pagar contas de empréstimos e cheque-especial.

Motivos

Dentre os consumidores em geral, com restrição ou não, que deixariam de pagar boletos, carnês e contas diversas, 70% o fariam pela possibilidade de negociação posterior, e 30% por priorizarem outras contas.

Entre quem não pagaria o cartão de crédito, 71% porque podem negociar depois e 29% por priorizarem outras contas. Já entre quem deixaria de pagar empréstimos e cheque-especial, 67% podem negociar a dívida posteriormente e 33% priorizariam o pagamento de outras contas.

Contratação de empréstimo

Questionados sobre o que levariam em conta na hipótese de contratação de empréstimo para a quitação de uma dívida, 58% dos consumidores em geral apontaram a taxa de juros, 38% o valor das parcelas e 3% o prazo de pagamento.

Considerando apenas os consumidores adimplentes, 71% levariam em conta a taxa de juros, enquanto 26% apontaram o valor das parcelas e 3% o prazo de pagamento.

Já entre os consumidores inadimplentes, 55% levariam em conta o valor das parcelas, 42% a taxa de juros e 3% o prazo de pagamento.

Metodologia

Pouco mais de 2.100 consumidores, segmentados em inadimplentes e adimplentes, responderam à Pesquisa Perfil do Consumidor realizada de modo online ao longo do 2º semestre de 2019 pela Boa Vista, em todo o território nacional. Os resultados consideram 2% de margem de erro e 95% de grau de confiança.

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…