[PESQUISA] 55% dos consumidores deixariam de pagar financiamentos e despesas diversas em caso de queda na renda

De acordo com a pesquisa Perfil do Consumidor, realizada pela Boa Vista, 55% dos consumidores, com o nome sujo ou não, deixariam de pagar primeiro os financiamentos, que são contas pagas com boletos e carnês, e despesas diversas em caso de diminuição da renda familiar. Em seguida, 34% deixariam de pagar o cartão de crédito, enquanto 11% atrasariam o pagamento de empréstimo e cheque especial. A pesquisa ouviu pouco mais de 2.100 consumidores em todo o Brasil durante o 2º semestre de 2019.

Considerando apenas os consumidores com restrição, 47% apontaram as contas originadas por boletos, carnês e demais despesas diversas como as primeiras contas a não ser pagas. Os que não pagariam o cartão de crédito são 40%, e os que deixariam de pagar empréstimos e cheque-especial, 13%.

Já levando em conta somente os consumidores adimplentes, ou seja, que não possuem restrição, 61% atrasariam primeiro os boletos, carnês e despesas diversas, 28% o cartão de crédito e apenas 9% deixariam de pagar contas de empréstimos e cheque-especial.

Motivos

Dentre os consumidores em geral, com restrição ou não, que deixariam de pagar boletos, carnês e contas diversas, 70% o fariam pela possibilidade de negociação posterior, e 30% por priorizarem outras contas.

Entre quem não pagaria o cartão de crédito, 71% porque podem negociar depois e 29% por priorizarem outras contas. Já entre quem deixaria de pagar empréstimos e cheque-especial, 67% podem negociar a dívida posteriormente e 33% priorizariam o pagamento de outras contas.

Contratação de empréstimo

Questionados sobre o que levariam em conta na hipótese de contratação de empréstimo para a quitação de uma dívida, 58% dos consumidores em geral apontaram a taxa de juros, 38% o valor das parcelas e 3% o prazo de pagamento.

Considerando apenas os consumidores adimplentes, 71% levariam em conta a taxa de juros, enquanto 26% apontaram o valor das parcelas e 3% o prazo de pagamento.

Já entre os consumidores inadimplentes, 55% levariam em conta o valor das parcelas, 42% a taxa de juros e 3% o prazo de pagamento.

Metodologia

Pouco mais de 2.100 consumidores, segmentados em inadimplentes e adimplentes, responderam à Pesquisa Perfil do Consumidor realizada de modo online ao longo do 2º semestre de 2019 pela Boa Vista, em todo o território nacional. Os resultados consideram 2% de margem de erro e 95% de grau de confiança.

 


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Demanda por crédito do consumidor avança 1,2% em janeiro

A demanda por crédito do consumidor avançou 1,2% em janeiro na comparação com dezembro, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. Na comparação com janeiro de 2019, o indicador recuou 2,1%. Já no acumulado em 12 meses, houve avanço de 3,3%. Considerando os segmentos que compõem o indicador, o…

Dicas de como proteger os documentos no carnaval

No carnaval, infelizmente são muito comuns os furtos de documentos, cartões e celulares. Então, se o consumidor quer ir para a folia em lugares abertos e com muita gente, é preciso ficar atento. A Boa Vista oferece algumas dicas para que o consumidor possa aproveitar o carnaval com mais segurança e para tentar evitar algum…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Recuperação de crédito recua 3,9% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista – registrou queda de 3,9% em janeiro contra dezembro, já descontados os efeitos sazonais. No acumulado em 12 meses (fevereiro de 2019 a janeiro de 2020), o indicador recuou 2,9%. Já em…