[Pesquisa] Depois de quitar débito, maioria dos consumidores não pretende fazer novas compras ou financiamentos

56% dos consumidores com restrição, ou seja, inadimplentes, não pretendem fazer novas compras/financiamentos, mesmo depois de conseguir quitar suas dívidas. Outros 18%, por sua vez, pretendem sim ir às compras. Destes, 18% têm planos de adquirir um automóvel, 15% material de construção e 14% a casa própria. Os dados são da Pesquisa Perfil do Consumidor Inadimplente da Boa Vista, feita no 1º semestre de 2019, com cerca de mil respondentes, em todo o território nacional.

De acordo com a pesquisa, 18% dos consumidores inadimplentes alegam não ter outras dívidas além das que geraram a restrição. Por outro lado, 59% (contra 58% do 1ºSem18) irão comprometer o orçamento dos próximos 12 meses.

O cartão de crédito é a forma de pagamento mais utilizada, segundo os consumidores entrevistados pela Boa Vista, para financiar uma compra, com 52% das menções. Em seguida o carnê e boleto (11%). Outros 20% alegam não comprar mais a prazo para não correr riscos de se endividar.

Os pagamentos de contas diversas (23%) e de empréstimos pessoais (16%) são os que mais comprometem o orçamento dos consumidores. 34% das contas diversas que não foram pagas referem-se às despesas com educação. 25%, a taxas e tarifas (IPTU, IPVA etc). O gráfico abaixo ilustra esses números, bem como os demais serviços e produtos apontados como os que mais comprometem a renda e cujo não pagamento gera a restrição.

89% das contas vencidas e que causaram a restrição estão em atraso há mais de 90 dias. No 1º semestre de 2018 eram 86%. 9% estão vencidas entre 30 a 90 dias e 2% a menos de 30 dias. No mesmo período do ano passado esses percentuais eram de 11% e 3%, respectivamente.

39% dos consumidores possuem até duas contas vencidas. No 1º semestre de 2018 este percentual era de 50%. Ou seja, o volume de consumidores com mais de duas dívidas aumentou e representa atualmente 61% do total de inadimplentes.

27% dos consumidores contam que ficaram inadimplentes porque compraram bens ou contrataram serviços cujo pagamento estava atrelado ao boleto bancário, sendo que 29% dos casos referem-se às contas de telefone; 23% às contas de concessionárias (água, luz, gás); 22% às despesas com educação; 18% a taxas e tarifas diversas (IPTU, IPVA, condomínio) e 8% despesas médicas.

O cartão de crédito aparece como o segundo meio de pagamento (24%) na lista dos que foram usados para comprar o bem ou o serviço que levaram à restrição, seguido do cartão de loja (13%), carnê (12%), empréstimo pessoal (11%), cheque especial (8%) e cheque pré-datado (5%).

Metodologia

Cerca de mil pessoas, em todo o Brasil, responderam à pesquisa Perfil do Consumidor Inadimplente realizada por meio de questionário eletrônico, ao longo do 1º semestre de 2019, pela Boa Vista. Seus objetivos: identificar as reais condições do consumidor em honrar com seus compromissos financeiros; medir o nível de endividamento e o comprometimento da renda com o pagamento das contas. Os resultados consideram 2% de margem de erro e 95% de grau de confiança.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…