Inadimplência oculta dificulta recuperação de crédito

Em fevereiro o indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do SCPC – apontou queda de 3,6% na comparação acumulada em 12 meses (período que abrange março de 2015 até fevereiro de 2016 contra os 12 meses antecedentes), aumentando 2,1 p.p. desde a última aferição do indicador, divulgada em setembro de 2015. Na variação interanual (frente a fevereiro de 2015) o indicador apresentou queda de 8,2%. Já na análise mensal, da série de dados ajustada sazonalmente, houve elevação de 10,4%.

Sem título

Em termos regionais, na comparação dos dados acumulados em 12 meses observou-se alta nas regiões Norte (8,2%), Sul (7,6%) Centro-Oeste (+6,3%) e Nordeste (2,6%). Já a região Sudeste é a principal responsável retração da média nacional, com queda de 10,9%, mantida a base de comparação.

Sem título

Em decorrência da Lei Estadual de São Paulo n° 15.659/2015, o processo de negativação dos consumidores inadimplentes foi alterado, dificultando os novos registros e, consequentemente, comprometendo a recuperação de crédito na região Sudeste.

Conhecida como Lei do AR (Aviso de Recebimento), a norma determina que o consumidor inadimplente e residente no Estado de São Paulo somente poderá ser inserido nos bancos de dados após assinar o Aviso de Recebimento, ao invés da carta simples utilizada até então. Como a dívida não pode ser exibida, um efeito de inadimplência “oculta” é gerado no sistema financeiro.

Com a redução no número de registros de inadimplentes, a recuperação foi fortemente afetada e agora cerca a incapacidade de recuperar esses valores como questão ainda mais preocupante.

Dessa forma, o Estado de São Paulo que possuía uma representatividade média de 65% da recuperação de crédito na região sudeste, passou a corresponder apenas 30% dos valores regionais, influenciando também o resultado negativo do indicador agregado nacional.

Metodologia

O indicador de recuperação de crédito é elaborado a partir da quantidade de exclusões dos registros de dívidas vencidas e não pagas informados anteriormente à Boa Vista pelas empresas credoras. As séries têm como ano base a média de 2011 = 100 e passam por ajuste sazonal para avaliação da variação mensal. A partir de janeiro de 2014, houve atualização dos fatores sazonais e reelaboração das séries dessazonalizadas, utilizando o filtro sazonal X-12 ARIMA, disponibilizado pelo US Census Bureau.

A série histórica do indicador está disponível em: http://www.boavistaservicos.com.br/economia/recuperacao-de-credito/

Posts relacionados

Títulos protestados acumulam alta de 24,9% no ano, segundo Boa Vista SCPC

De acordo com os dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), o número total de títulos protestados no país aumentou 24,9% no acumulado de janeiro a novembro de 2016 em relação ao mesmo período do ano anterior. Na comparação interanual, os títulos protestados diminuíram 4,3% e recuaram 12,0% em relação ao…

Pedidos de falência registram alta de 11,7% no acumulado do ano, segundo Boa Vista SCPC

Segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), os pedidos de falência registraram alta de 11,7% no acumulado de janeiro a novembro de 2016 em relação ao mesmo período de 2015. Em novembro, o número de pedidos de falências recuou 5,1% na comparação interanual e aumentou 2,7% em…

Dívida com cartão de crédito e boleto levam paulistano a mutirão de renegociação de dívidas

A maioria (60%) dos consumidores que compareceu ao mutirão “Acertando suas Contas”, da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), na cidade de São Paulo, com a intenção de negociar suas dúvidas, buscou a renegociação do débito causado pelo cartão de crédito. A constatação é de levantamento realizado no próprio local pela Boa…