PNAD: Desemprego encerra 2015 com 9,0%

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego para 2015 ficou em 9,0%, 2,5 p.p. aos valores encerrados em 2014. Este é o maior valor para desocupação desde o início da série histórica, iniciada em março de 2012. Na comparação mensal, a aferição[1] ficou estável com relação aos dados divulgados sobre novembro. Com isso, a número de pessoas desempregadas atinge cerca de 9 milhões de trabalhadores, com elevação de 40% frente ao resultado do ano anterior.

O nível de ocupação caiu de forma mais significativa no setor de serviços, com 8,7% na comparação interanual (comparação contra o mesmo período do ano anterior). Em termos de formalização do mercado de trabalho, a queda ocupação no mercado privado de trabalho sem carteira assinada foi mais significativa: 4,3% contra 3,0% vivenciado no mercado formal. Já nos tipos de emprego, os trabalhadores esporádicos (auxiliares familiares, que complementam a renda familiar) sofreram a queda mais significante, com 10,9%.

O rendimento habitual real, por sua vez, em dezembro foi registrou uma média de  R$1.913, valor 2% inferior em termos interanuais. Ainda assim, nos valores acumulados no ano, a renda permaneceu praticamente estável com relação aos ganhos aferidos ao longo de 2014.

Em suma, a queda do consumo e a busca de redução de custos têm gerado aumento das demissões por parte das empresas. Por outro lado, as famílias estão à procura de complementos na renda, o que por sua vez aumenta a parcela da população em busca de emprego. Tendo em vista a continuidade deste cenário, estimamos que a taxa de desemprego medida pela PNAD alcance taxa próxima pouco superior ao de 2015, com 10,5% no encerramento deste ano.

Sem título

[1] Os indicadores da PNAD do IBGE trabalham com o conceito de trimestre móvel, sendo o mês de referência o último disponível para análise, que é neste caso dezembro de 2015.

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…