A importância da Indústria

A indústria brasileira ainda mostra-se muito longe de retomar aumentos na produção. O resultado divulgado hoje pelo IBGE apresentou grande recuo na análise da tendência (medido pela variação acumulada em 12 meses): caiu 1 p.p. em fevereiro, atingindo 4,5% de queda no período. Ao mesmo tempo, no curto prazo, as expectativas também não são nada animadoras. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da FGV caiu 9,2% na comparação mensal dos dados dessazonalizados, passando de 83 pontos em fevereiro para 75,4 pontos em março. Ou seja, a continuidade do movimento de queda para a produção na próxima aferição do IBGE já é praticamente dada como certa.

O fato é bastante preocupante. Não se sabe ao certo a dimensão que as perdas industriais podem acarretar para o restante da economia. Os investimentos, sobretudo industriais, geram um verdadeiro efeito multiplicador para economia: aumentos de investimento geram aumentos de produção, que por sua vez geram aumentos de emprego e, consequentemente, renda, que gera consumo, mais produção e assim por diante. É um verdadeiro ciclo virtuoso. Contudo, o problema que enfrentamos segue, na realidade, em sentido diametralmente oposto. Atualmente vemos forte queda de produção, retração dos investimentos e também já começamos a observar crescimento de desemprego. A próxima etapa deverá recair em uma diminuição do nível de renda. O setor que já chegou a representar mais de 28% há dez anos hoje responde por apenas 23% da economia.

Para dificultar, o horizonte de curto prazo tem se mostrado bastante pessimista. Mesmo com o ganho de produtividade adquirido pelo efeito de valorização recente do real frente ao dólar (real fraco aumenta a competitividade dos exportadores, o que resulta no aumento dos ganhos e ainda protege o setor manufatureiro de importar produtos muito baratos, incentivando o processo local), os industriais não se sentem confiantes o suficiente para retornar a produzir. Aliás, ainda devem livrar-se primeiro dos estoques acumulados, fator de difícil solução em uma economia com demanda cada vez menor.

Até que ponto a falta de confiança poderá minar nosso crescimento? O país age corretamente em suas medidas corretivas, pois não reagir poderá piorar ainda mais o cenário industrial e consequentemente o nível de renda, colocando em risco, inclusive, diversos avanços sociais.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…