Brasil em 80º lugar como melhor país para negócios

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Forbes apresentou, pelo oitavo ano consecutivo, o ranking de melhores países para negócios. Lidera a lista a Irlanda, seguida da Nova Zelândia, Hong Kong, Dinamarca e Suécia. O Brasil ficou em 80º lugar, em um universo de 145 países analisados. O ranking foi organizado com base em 11 indicadores públicos elaborados por organismos como Banco Mundial, Transparência Internacional, Fundação Heritage e Freedom House. Os indicadores utilizados são a inovação, a tecnologia, a corrupção, os direitos da propriedade, proteção dos investidores, a liberdade pessoal, de comércio, política monetária, desempenho da bolsa, burocracia e impostos. Singapura ficou em 7º lugar, Canadá e Austrália em 8º e 11º lugares, respectivamente. EUA em 18º e Alemanha 24º.

A surpresa é a Irlanda liderando a lista. Há três anos, os governos europeus e o FMI enviaram para a Irlanda 85 bilhões de euros para equilibrar seu orçamento, evitando a falência das contas públicas e salvando o sistema bancário. No início do mês, o país anunciou o fim do programa de assistência financeira, voltando a acessar os mercados. Apesar disso, durante todo o período a Irlanda manteve um ambiente pró-empresarial que atrai investimentos das maiores empresas mundiais. E qual a grande vantagem para continuar a atrair investimentos? Os impostos. A alíquota do IR sobre as empresas na Irlanda é de no máximo 12,5%. Enquanto isso, no Brasil, que ficou em 80º, atrás de países como Colômbia, México, Turquia, Peru, Uruguai, África do Sul e Coréia, os tributos continuam crescendo acima do PIB. O aumento constante da carga tributária inibi os investimentos na medida em que compromete o Ebitda das empresas. A burocracia, a tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos evidenciam a desvantagem competitiva do Brasil. Sem uma política consistente de desoneração e simplificação fiscal, será impossível ao Brasil se impor como um player importante na economia global.

Ed.334

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito sobe 3,0% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do crédito– apontou elevação de 3,0% na análise mensal contra dezembro, descontados os efeitos sazonais. Já na variação acumulada em 12 meses apresentou alta de 2,7%, enquanto na análise interanual (mesmo mês de 2016) houve…

81% dos consumidores esperam que em 2017 a relação entre recebimento e gastos melhore, segundo Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (81%) na Pesquisa Perfil do Inadimplente, da Boa Vista SCPC, espera que em 2017 a relação entre recebimentos e gastos esteja melhor do que a existente no 4º trimestre de 2016, período no qual o levantamento foi elaborado contendo a participação de consumidores de todo o país. Em dezembro de 2015,…

CDC completa 27 anos e representa uma conquista de consumidores e de empresas

Março é um mês especial para os consumidores (e para as empresas). É que no dia 11, há 27 anos, entrou em vigor o Código de Defesa do Consumidor (CDC). A Lei 8.078 foi assinada pelo então presidente Fernando Collor em setembro de 1990, determinando que entrasse em vigor seis meses depois, no dia 11…