Brasil em 80º lugar como melhor país para negócios

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Forbes apresentou, pelo oitavo ano consecutivo, o ranking de melhores países para negócios. Lidera a lista a Irlanda, seguida da Nova Zelândia, Hong Kong, Dinamarca e Suécia. O Brasil ficou em 80º lugar, em um universo de 145 países analisados. O ranking foi organizado com base em 11 indicadores públicos elaborados por organismos como Banco Mundial, Transparência Internacional, Fundação Heritage e Freedom House. Os indicadores utilizados são a inovação, a tecnologia, a corrupção, os direitos da propriedade, proteção dos investidores, a liberdade pessoal, de comércio, política monetária, desempenho da bolsa, burocracia e impostos. Singapura ficou em 7º lugar, Canadá e Austrália em 8º e 11º lugares, respectivamente. EUA em 18º e Alemanha 24º.

A surpresa é a Irlanda liderando a lista. Há três anos, os governos europeus e o FMI enviaram para a Irlanda 85 bilhões de euros para equilibrar seu orçamento, evitando a falência das contas públicas e salvando o sistema bancário. No início do mês, o país anunciou o fim do programa de assistência financeira, voltando a acessar os mercados. Apesar disso, durante todo o período a Irlanda manteve um ambiente pró-empresarial que atrai investimentos das maiores empresas mundiais. E qual a grande vantagem para continuar a atrair investimentos? Os impostos. A alíquota do IR sobre as empresas na Irlanda é de no máximo 12,5%. Enquanto isso, no Brasil, que ficou em 80º, atrás de países como Colômbia, México, Turquia, Peru, Uruguai, África do Sul e Coréia, os tributos continuam crescendo acima do PIB. O aumento constante da carga tributária inibi os investimentos na medida em que compromete o Ebitda das empresas. A burocracia, a tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos evidenciam a desvantagem competitiva do Brasil. Sem uma política consistente de desoneração e simplificação fiscal, será impossível ao Brasil se impor como um player importante na economia global.

Ed.334

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…