Brasil em 80º lugar como melhor país para negócios

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A Forbes apresentou, pelo oitavo ano consecutivo, o ranking de melhores países para negócios. Lidera a lista a Irlanda, seguida da Nova Zelândia, Hong Kong, Dinamarca e Suécia. O Brasil ficou em 80º lugar, em um universo de 145 países analisados. O ranking foi organizado com base em 11 indicadores públicos elaborados por organismos como Banco Mundial, Transparência Internacional, Fundação Heritage e Freedom House. Os indicadores utilizados são a inovação, a tecnologia, a corrupção, os direitos da propriedade, proteção dos investidores, a liberdade pessoal, de comércio, política monetária, desempenho da bolsa, burocracia e impostos. Singapura ficou em 7º lugar, Canadá e Austrália em 8º e 11º lugares, respectivamente. EUA em 18º e Alemanha 24º.

A surpresa é a Irlanda liderando a lista. Há três anos, os governos europeus e o FMI enviaram para a Irlanda 85 bilhões de euros para equilibrar seu orçamento, evitando a falência das contas públicas e salvando o sistema bancário. No início do mês, o país anunciou o fim do programa de assistência financeira, voltando a acessar os mercados. Apesar disso, durante todo o período a Irlanda manteve um ambiente pró-empresarial que atrai investimentos das maiores empresas mundiais. E qual a grande vantagem para continuar a atrair investimentos? Os impostos. A alíquota do IR sobre as empresas na Irlanda é de no máximo 12,5%. Enquanto isso, no Brasil, que ficou em 80º, atrás de países como Colômbia, México, Turquia, Peru, Uruguai, África do Sul e Coréia, os tributos continuam crescendo acima do PIB. O aumento constante da carga tributária inibi os investimentos na medida em que compromete o Ebitda das empresas. A burocracia, a tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos evidenciam a desvantagem competitiva do Brasil. Sem uma política consistente de desoneração e simplificação fiscal, será impossível ao Brasil se impor como um player importante na economia global.

Ed.334

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…