Pedidos de falência registram alta de 14,2% no acumulado do ano, segundo Boa Vista SCPC

Os pedidos de falência registraram alta de 14,2% no acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2014, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em agosto de 2015, o número de pedidos de falências aumentou 0,5% na comparação mensal e foi 18,2% maior em relação a agosto de 2014.

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, as falências decretadas subiram 36,2% em relação ao período equivalente do ano anterior. Na comparação interanual aumentaram 28,3% e recuaram 31,9% ante o mês anterior.

Os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas, no acumulado do ano, também seguiram tendência de alta, registrando 39,9% e 33,6%, respectivamente.  A tabela 1 resume os dados.

Tabela 1 – Variações nas Falências e Recuperações Judiciais

 

Jan-Ago 2015/2014

Ago 2015/Ago 2014

Ago 2015/Jul 2015

Pedidos de Falência

14,2%

18,2%

0,5%

Falências Decretadas

36,2%

28,3%

-31,9%

Pedidos de Recup. Jud.

39,9%

126,9%

6,3%

Recup. Jud. Deferidas

33,6%

100,0%

-1,7%

 Fonte: Boa Vista SCPC

Enquanto a elevação das taxas de juros e a maior seletividade na concessão de crédito encarecem o capital de giro, a fraca atividade econômica dificulta a geração de caixa das empresas. Com isso, as empresas vêm seus indicadores de solvência deteriorarem, pois encontram dificuldades em adquirir novos empréstimos. Sem perspectiva de reversão no curto prazo, a Boa Vista SCPC espera que essa tendência dos indicadores de falências se mantenha, e encerre o ano em patamares superiores aos de 2014.

Metodologia

O indicador de falências e recuperações judiciais é construído com base na apuração dos dados mensais registradas na base de dados da Boa Vista SCPC, oriundas dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e da Justiça dos estados.

A série histórica deste indicador se inicia em 2006 e está disponível em:

http://www.boavistaservicos.com.br/economia/falencias-e-recuperacoes-judiciais/

Comentários

comentários