[ANÁLISE] Concessões PF com recursos livres mantêm ritmo de crescimento em agosto

As concessões de crédito com recursos livres para pessoas físicas, que tiveram um papel importante para a aceleração das vendas do varejo em julho, mantiveram o ritmo de crescimento em agosto, de acordo com dados do Banco Central deflacionados pela Boa Vista. Este é um dos destaques dos economistas da empresa em sua análise das estatísticas de crédito de agosto, divulgadas nesta quarta-feira (25).

Após alta de 8,6% em julho, as concessões com recursos livres deflacionadas e acumuladas em 12 meses registraram expansão de 8,5% em agosto. Já as concessões para pessoas jurídicas seguem trajetória de desaceleração. Em 12 meses até agosto, elas registraram crescimento de 7,2% em relação aos 12 meses anteriores.

Os empréstimos com recursos livres para pessoas físicas continuam sendo puxados pelas modalidades com juros menores, especialmente pelo consignado, cujas concessões (não deflacionadas) cresceram 29,8% em 12 meses e mantêm trajetória de aceleração. As concessões na modalidade cartão de crédito com juros, por outro lado, cresceram 12,3% na mesma base de comparação.

A inadimplência das operações de crédito com recursos livres para pessoas físicas, por sua vez, segue relativamente estável, alcançando 4,9% em agosto, contra 4,8% em julho e 5% em agosto do ano passado.

Em resumo, portanto, nota-se crescimento saudável dos empréstimos para os consumidores, em modalidades com juros menores e inadimplência sob controle.

Para os economistas da Boa Vista, o cenário de crédito segue, de fato, favorável e tende a colaborar para o desempenho das vendas do varejo até o final do ano.

Eles voltam, contudo, a chamar atenção para a tendência de crescimento do endividamento e do comprometimento da renda, que pode limitar o ciclo atual de expansão do crédito.

O endividamento, desconsiderando o crédito imobiliário, passou de 23,6% em julho de 2018 para 25,6% em junho e 25,7% em julho de 2019. Já o comprometimento de renda passou de 17,6% em julho do ano passado para 18,2% em junho e 18,3% em julho deste ano, na série livre de influências sazonais.

Os indicadores, porém, ainda estão em níveis muito inferiores aos observados até 2016. Em julho daquele ano, por exemplo, o comprometimento da renda estava em 19,7%.

“Embora ainda abaixo do nível de 2016, um maior comprometimento de renda preocupa, especialmente diante da atual situação do mercado de trabalho”. De acordo com os economistas, não só a recuperação do emprego é muito lenta, como as vagas criadas são, de maneira geral, precárias, informais e por conta própria.

Este novo perfil da ocupação parece ajudar a explicar também, ao menos em parte, a dinâmica do crédito para pessoas jurídicas, puxado pelos empréstimos para Micro, Pequenas e Médias empresas (MPMe), cuja carteira cresceu 8,5% em agosto, contra queda de 5,9% no caso das Grandes empresas.

“Trata-se de um segmento ainda carente de crédito, com enorme potencial, portanto, mas cuja inadimplência, atualmente, ainda é mais de três vezes superior à das grandes empresas” [4,64% contra 1,36% em agosto], concluem os economistas.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…