[ANÁLISE] Tendência de aumento do endividamento, comprometimento de renda e inadimplência das pessoas físicas

Não é de hoje que a equipe econômica da Boa Vista vem alertando a respeito da deterioração do cenário para a inadimplência. Em artigo de junho deste ano, os economistas já chamavam atenção para o aumento contínuo do endividamento e do comprometimento de renda.

“O cenário ainda não é alarmante, mas a tendência de alta permanece. O aumento das concessões, ante uma recuperação lenta da renda e do emprego, tem resultado em maior endividamento e comprometimento dos recursos das famílias com o pagamento de dívidas. A inadimplência, com isto, já vem crescendo neste ano”, dizem os economistas ao analisar as estatísticas de crédito de setembro, divulgadas hoje, 25, pelo Banco Central (BC).

Em setembro, a taxa de inadimplência das operações de crédito com recursos livres ficou em 5%, ante 4,7% em fevereiro deste ano, quando atingiu o menor patamar da série histórica. “É um aumento pequeno, é verdade, mas está sendo puxado pelas linhas rotativas, com juros mais altos”, argumentam.

A taxa de inadimplência das operações de cheque especial passou de 13,2% para 15,6% entre fevereiro e setembro de 2019. A do cartão de crédito (que inclui as operações de crédito rotativo, parcelado com e sem juros e compras em uma parcela), por sua vez, passou de 5,8% para 6,4% no mesmo período.

Embora as concessões de crédito nestas modalidades ainda estejam crescendo bem menos do que as demais, ditas não rotativas, o saldo das modalidades rotativas apresentou aumento maior nos últimos três meses. Na comparação com setembro do ano passado, o saldo das operações de crédito rotativo (cheque especial e cartão de crédito) cresceu 18,9%, contra 15,5% das operações de crédito não rotativo.

Se as concessões de crédito rotativo crescem menos, a explicação para o aumento do saldo destas operações só pode ser uma: as taxas de juros.

“O Banco Central adotou medidas para tentar conter o endividamento e as taxas de juros nestas linhas, limitando o prazo e exigindo dos bancos a oferta de empréstimos com taxas menores. O problema é que a demanda por crédito nestas linhas é mais inelástica, ou seja, não é tão sensível às taxas de juros. Quando o consumidor recorre ao cheque especial ou ao rotativo do cartão de crédito, é porque já perdeu o controle do orçamento. Tratam-se de linhas emergenciais”, analisam os economistas da Boa Vista.

De fato, nota-se crescimento da taxa de juros médias cobrada no rotativo do cartão de crédito, que atingiu a mínima recente de 11,6% ao mês em julho de 2018, mas se encontra atualmente em 12,4%. A taxa de juros das compras parceladas com juros no cartão também subiu no ano (de 8,2% em dezembro de 2018 para 8,9% em setembro deste ano).

“O desemprego segue elevado e a queda recente foi resultado do aumento das ocupações precárias, sem carteira e por conta própria. De maneira geral a situação da economia está melhor do que no passado recente, as perspectivas também melhoraram com a quedas dos juros básicos e a liberação dos recursos do FGTS, mas a situação de muitas famílias ainda é bastante delicada, elas enfrentam dificuldade para manter as contas básicas em dia e acabam recorrendo a linhas emergenciais”, concluem os economistas.

Para embasar os argumentos, citam ainda os dados da própria Boa Vista de registros e exclusão do cadastro de negativados. Enquanto os registros de inadimplência recuaram 3% em 12 meses até setembro, os de recuperação diminuíram 3,3%. Ou seja, menos consumidores estão ficando inadimplentes, mas, entre os inadimplentes, menos estão conseguindo reequilibrar as contas e regularizam sua situação.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…