PIB apresenta queda de 9,7% no segundo trimestre de 2020, a maior já registrada na série histórica

No primeiro semestre houve recuo de 5,9%

Os dados do PIB do 2º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, confirmaram as expectativas da queda apontada por diversos analistas do mercado.

Na comparação com o 1º trimestre de 2020, já descontados os efeitos sazonais, o PIB apontou baixa de 9,7%. Em relação ao mesmo período do ano anterior a atividade recuou 11,4%. No acumulado dos últimos quatro trimestres a queda foi de 2,2%. Já em relação ao primeiro semestre, foi registrado perda de 5,9%.

Analisando os números pela ótica da demanda, a Formação Bruta de Capital Fixo (Investimentos) mostrou reversão do crescimento no acumulado em quatro trimestres (passando de 3,0% para -2,1% entre o 1T20 e 2T20). Considerando a comparação trimestral frente ao trimestre imediatamente anterior (%QoQ, dados com ajuste), houve baixa de 15,4%, acumulando queda de 5,7% no semestre.

O consumo das famílias também mostrou comportamento desfavorável, com queda de 12,5% na comparação com o primeiro trimestre de 2020 (dados com ajuste sazonal). Na variação interanual, o componente recuou 13,5%.

As exportações expandiram 1,8% em relação ao trimestre anterior, enquanto na comparação interanual caíram 0,5%. Já as importações recuaram 13,2% no trimestre e 14,9% em relação ao 2T19.

Pela Ótica da Oferta (Gráfico 2), a Agropecuária, a única a apresentar desempenho positivo no trimestre, avançou 1,5% no acumulado em quatro trimestres. Já em relação ao trimestre anterior o setor cresceu 0,4%, enquanto na comparação com o mesmo trimestre do ano passado houve alta de 1,2%.

O setor de serviços teve baixa de 9,7% contra o trimestre passado, de 11,2% na comparação interanual e de 2,2% no acumulado dos últimos quatro trimestres, destacando-se o desempenho ruim do Comércio e do Transporte, Armazenagem e Correio, que recuaram 13% e 19,3% no período, respectivamente.

A Indústria, por sua vez, apresentou queda de 12,3% no 2T20 de acordo com dados dessazonalizados, após também registrar resultado negativo no trimestre anterior. No acumulado em quatro trimestres, portanto, o setor cedeu 2,5%, já na comparação interanual, a indústria retrocedeu 12,7%. O destaque do setor se deu nas Indústrias de transformação ao recuar 17,5% em relação ao trimestre passado e 20% na comparação interanual.

Com este resultado, o movimento confirma as expectativas de mercado sobre a queda no PIB para o segundo trimestre de 2020, no qual sofreu com o ápice da pandemia e das restrições econômicas devido ao coronavírus. Contribuindo para desacelerar a atividade na análise em quatro trimestres e reajustar as perspectivas em relação ao cenário econômico para o resto do ano.

Pelo lado da oferta, tanto a Indústria quanto os Serviços apresentaram um desempenho ruim no trimestre, corroborando para o desempenho negativo do PIB. Pela ótica da despesa, o Consumo das famílias, o Investimento e as Importações apresentaram altas quedas no trimestre, sofrendo intensamente com as oscilações no mercado de trabalho, incertezas no mercado e queda da demanda e oferta mundial.

A seguir, a tabela com resumo dos números do PIB do 2º trimestre.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Para BC, atividade econômica continua a apresentar queda na análise 12 meses, apesar do avanço mensal de 1,1%

Comentários:                                                                                                             …

Volume de Serviços avança 2,9% em agosto, mas acentua queda na análise em 12 meses

  Comentários:                                                                                                           …

IPCA avança 0,64% em setembro, sendo o maior resultado para um mês de setembro desde 2003

Comentários: De acordo com o IBGE, o IPCA registrou alta de 0,64% no mês de setembro. No 3° trimestre houve elevação em 1,24% e no ano o índice aponta alta de 1,34%. O resultado acumulado em 12 meses é de alta em 3,14% e o boletim Focus da última segunda-feira (05/10) mostra que a mediana…