PME: Desemprego melhora em novembro, mas rendimentos pioram drasticamente

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego em novembro registrou 7,5%, menor em 0,4 p.p. com relação a outubro, mas mantém a maior taxa para o mês desde 2008, superando em 2,7 p.p. o número divulgado para o mesmo período em 2014. Já em termos dessazonalizados, o desemprego subiu: passou de 7,9% registrados em outubro para atuais 8,2%.

Para as regiões metropolitanas ficou a seguinte configuração: Belo Horizonte (6,1%), São Paulo (7,4%) e Porto Alegre (6,7%), Recife (10,8%) e Salvador (12,3%).

Com relação aos rendimentos reais, o valor médio habitual real foi de R$ 2.177,20, caindo 3,1% na variação acumulada em 12 meses. Na variação interanual a retração foi de 8,8%.

A pequena recuperação mensal da desocupação ainda mostra-se bastante tímida comparada à grande deterioração do mercado de trabalho sofrida ao longo de 2015. De fato, a análise com ajuste sazonal mostra continuidade da elevação do desemprego, movimento condizente com a grande deterioração do rendimento real:  a variação acumulada em 12 meses mostrou queda de 1 p.p. nos dados de novembro quando comparado ao mês anterior.

Tais informações deverão ser acompanhadas com cautela durante as próximas aferições, uma vez que os dados do mercado de trabalho podem fornecer um melhor diagnóstico sobre a atual recessão econômica. Não havendo ainda perspectivas de recuperação econômica no curto prazo, esperamos que o desemprego calculado pela PME atinja uma média de 6,9% para este ano e 8,0% para o próximo ano. O rendimento real, por sua vez, deverá encerrar este ano em torno de -3,5% (na variação acumulada em 12 meses) e em 3,0% para 2016, mantida base de comparação.

pme nov15


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…