PNAD: Desemprego atinge 8,9% no 3º trimestre e é o maior da série histórica

De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego no terceiro trimestre do ano subiu para 8,9% (maior taxa desde o início da série iniciada em 2012), registrando aumento de 0,6 p.p. em relação ao segundo trimestre de 2015. Na comparação contra o mesmo trimestre encerrado em 2014, a taxa de desocupação era de 6,8%.

O rendimento habitual real no trabalho principal do terceiro trimestre registrou R$1.889. Em relação ao mesmo período do ano anterior houve estabilidade (-0,1%).

A PME divulgada semana passada pelo IBGE (referente a outubro) apontou taxa de desemprego de 7,9%. Enquanto a PME é uma pesquisa restrita às regiões metropolitanas, com maior adensamento urbano e populacional, a PNAD acaba captando melhor características regionais e em locais com menores populações, contemplando 3.500 municípios aproximadamente, entre outras particularidades.

Em suma, a queda do consumo e a busca de redução de custos têm gerado aumento das demissões por parte das empresas. Na variação interanual (trimestre encerrado em setembro comparado ao mesmo período do ano passado, houve elevação de 33,9% na população desocupada). Por outro lado, as famílias estão à procura de complementos na renda, o que por sua vez aumenta a parcela da população em busca de emprego. Tendo em vista este cenário, estimamos que a taxa de desemprego medida pela PNAD alcance taxa próxima a 11% no final do ano.

pnad


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Pedidos de seguro-desemprego recuam 32% em junho na comparação mensal

O Ministério da Economia divulgou ontem os dados referentes ao movimento dos pedidos de seguro-desemprego. Em junho, o número de requerimentos ao seguro–desemprego foi 32% menor em relação ao mês anterior, contabilizando cerca de 653.160 pedidos na modalidade trabalhador formal. Já na comparação com junho do ano passado houve alta de 28,4%, registrando o quarto…

IPCA avança 0,26% em junho, após dois meses de deflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)[1] avançou 0,26% no mês de junho. No acumulado em 12 meses houve evolução para 2,13%, 0,25 p.p. acima da variação observada em maio.  Com esse resultado, o indicador acumulou baixa de 0,11% no ano. O grupo Alimentação e bebidas (0,38%) foi o que registrou maior impacto…

Volume de serviços recua 0,9% em maio

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE divulgada hoje, o volume do setor de serviços recuo 0,9% na comparação com o mês anterior (dados dessazonalizados). Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o indicador contraiu 19,4%. Com isto, o setor acumula baixa de 2,7% na análise em 12 meses. Nos resultados mensais…