Primeiro trimestre do ano mostra nova desaceleração para o varejo

Por Yan Nonato Cattani, Economista da Área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

 

Hoje o IBGE divulgou seu resultado sobre as vendas no varejo. O indicador registrou queda de 0,5%, resultado pouco pior do que o esperado pelo mercado (-0,2%) na véspera, de acordo com o Jornal Valor Econômico de hoje. O resultado segue praticamente em linha com o indicador coincidente do setor da Boa Vista SCPC, o Movimento do Comércio, que já havia apontado uma queda (-0,9%) no varejo restrito, mantida a base de comparação.

No indicador oficial, avaliando as aberturas do indicador restrito pela variação interanual (março de 2014 frente a março de 2013), cinco de oito categorias registraram diminuição das vendas: Livros, jornais, revistas e papelaria (-8,3%); Tecidos, vestuário e calçados (-7,3%); Materiais para escritório, informática e comunicação (-4,9%); Hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,8%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,8%).

Mantendo a base de comparação, observando os setores análogos ao do indicador do IBGE e também contemplados pelo indicador da Boa Vista, verificou-se que as variações de março caminharam para o mesmo sentido, com exceção do setor de Tecidos, vestuário e calçados, que obteve alta de 5,7% (frente a queda de 7,3%, já mencionada acima). Para os demais setores, a configuração ficou: Combustíveis e lubrificantes (10,5%); Móveis e eletrodomésticos (8,7%); e Supermercado, alimentos e bebidas (-0,8%).

Tabela Comércio Mar14

Na comparação de longo prazo, avaliada pelo valor acumulado em 12 meses, observa-se uma convergência dos indicadores. Por exemplo, a categoria com maior peso em ambos indicadores, supermercados, caiu de 2,7% em fevereiro para 2,1% no mês atual para o indicador oficial, enquanto no indicador da Boa Vista SCPC houve retração de 0,8 p.p. atingindo 2,2% em março.

Em linhas gerais, podemos dizer que o primeiro trimestre de 2014 obteve um resultado em linha com as expectativas de mercado, desacelerando. Levando em consideração estas evidências, para os próximos meses podemos afirmar que o setor varejista deverá apresentar nova queda de seu crescimento, devendo encerrar o ano com alta próxima de 4,0%. Contudo, ainda há de se contabilizar alguns efeitos que poderão dar algum fôlego (ou não) ao comércio, a exemplo do evento da Copa do Mundo e também as Eleições no último trimestre. A ver.

Posts relacionados

Pagamento de contas diversas é o que mais pesa no bolso do consumidor

São as contas diversas que estão impossibilitando de o consumidor manter o seu fluxo de caixa organizado e o “nome limpo”, segundo pesquisa online semestral realizada pela Boa Vista SCPC para identificar o Perfil do Consumidor Inadimplente. Dos quase 4 mil respondentes, de todo o Brasil, 23% afirmaram que manter em dia o pagamento de…

Inadimplência do consumidor cai 2,4% em novembro

A inadimplência do consumidor caiu 2,4% em novembro na avaliação mensal com ajuste sazonal, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Já nos valores acumulados em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 3,5%. Quando comparado o resultado contra o mesmo mês de 2016,…

Produção Industrial registra crescimento de 0,2% em outubro e 1,5% em 12 meses

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) registrou crescimento de 0,2% em outubro, considerando a comparação mensal (série com ajuste sazonal). Considerando os últimos 12 meses, a recuperação ganhou mais consistência, uma vez que sua leitura foi de 0,4% para 1,5% entre os meses de setembro e outubro. Na comparação…