Produção Industrial recua 9,1% em março, influenciada pelas medidas restritivas ao Covid-19

Dados divulgados hoje pelo IBGE revelam que a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) recuou 9,1% em março, na comparação mensal ajustada sazonalmente, já influenciada pelas medidas restritivas ao Covid-19 e suas implicações econômicas.

Já referente ao acumulado dos últimos doze meses, a atividade industrial recuou 1%. No acumulado de 2020, o setor também registrou queda de 1,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo a análise mensal dessazonalizada, a indústria de transformação apontou recuo de 9,9% e a Extrativa Mineral de 1,6%, em comparação com fevereiro.

Dentre os ramos industriais houve contração da atividade em 23 dos 26 pesquisados, sendo que as principais influências negativas ocorreram em: veículos automotores, reboques e carrocerias (-28%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-37,8%), de bebidas (-19,4%), de couro, artigos para viagem e calçados (-31,5%) e de móveis (-27,2). Por outro lado, os resultados positivos ocorreram em  impressão e reprodução de gravações (8,4%), de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (0,7%) e de manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (0,3%).

Dentre as grandes categorias, em março, todas elas apresentaram queda no mês. O grupo de Bens de Consumo recuou 14,5%, Bens Duráveis (-23,5%) e Semi e Não-duráveis (-12%). Os grupos de Bens Intermediários e de Bens de Capital recuaram 3,8% e 15,2%, respectivamente.

O desempenho da indústria em março interrompe o segundo mês de crescimento em 2020 já influenciado pelas medidas restritivas ao Covid-19 e suas implicações econômicas e sociais, entretanto ainda contribuiu para acelerar a recuperação da atividade na análise de 12 meses. Os impactos da pandemia e as medidas de isolamento social já são expressivos na produção industrial, os setores que mais estão sendo influenciados negativamente são os de vestuário em geral, automóveis e móveis,  estes que são considerados menos importantes no consumo das famílias em momentos de crise e os primeiros a serem cortados dadas as prioridades dos consumidores. A recuperação do setor nos próximos meses ainda é incerta, está em função da retração da pandemia em geral e  o legado de longo prazo que o coronavírus deixará, como a alta do desemprego e a queda da renda. Segundo as projeções reunidas no relatório Focus, na primeira semana de março, esperava-se que a produção industrial apontasse crescimento de 2,4% para 2020, atualmente a projeção de crescimento já aponta retração de 2,75% para o ano.


Buscar por período:

TAGS

Posts relacionados

Resultado do PIB revela queda de 1,5% no primeiro trimestre

Os dados do PIB do 1º trimestre, divulgados hoje pelo IBGE, reforçaram o cenário de fragilização da atividade econômica. No primeiro trimestre de 2020, o produto recuou 1,5% na comparação com os três últimos meses do ano passado, de acordo com dados dessazonalizados, interrompendo uma sequência de quatro trimestres de crescimentos consecutivos. Na comparação com…

Consumidores com aumentos frequentes em operações de crédito são mais propensos à inadimplência

Demanda por Crédito do Consumidor cai 24,4% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor recuou 24,4% em abril na comparação com março, já descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da Boa Vista. No acumulado do ano o indicador caiu 11,7% contra o mesmo período do ano passado. Já no acumulado em 12 meses, o indicador passou para o campo negativo…

PNADC: Taxa de desemprego atinge 12,6% em abril

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) do IBGE, a taxa de desemprego avançou para 12,6% no trimestre móvel encerrado em abril. Estando 0,4 p.p. acima do registrado no mês anterior e 0,1 p.p. maior em relação ao mesmo período do ano passado (12,5%). Em termos absolutos, a população desocupada…